|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

“Manifestações de racismo devem ser repudiadas”, diz PCP

17 fev, 2020 - 12:41 • Marta Grosso

Partido Comunista alerta para “crescente exacerbação de conflitos raciais artificialmente inculcados na sociedade” e diz que quer ouvir responsáveis políticos e institucionais no Parlamento.

A+ / A-

O PCP condena as manifestações de domingo, em Guimarães, depois do golo do jogador maliano, do FC Porto. Num comunicado emitido nesta segunda-feira, os comunistas consideram que “as manifestações de racismo devem ser repudiadas”.

Mas, “mais do que palavras de condenação, o que a situação desperta, para lá do horizonte desportivo, são os fatores que abrem espaço a manifestações de racismo e xenofobia”, afirma o partido no comunicado enviado à Renascença.

“Sem prejuízo de uma consideração mais global que a questão suscita, a par de problemas reais que não devem ser iludidos, o PCP alerta para a crescente exacerbação e fomento de conflitos raciais artificialmente inculcados na sociedade portuguesa a partir de diversas formas e agentes”, referem ainda os comunistas.

Com vista a debater as “medidas práticas a adotar face a acontecimentos desta natureza nos recintos desportivos”, o PCP anuncia que irá “chamar à Comissão de Direitos, Liberdades e Garantias o Ministro da Administração Interna, o Secretário de Estado do Desporto e a Liga de Clubes”.

Marega, avançado do FC Porto, foi alvo de alegados insultos racistas por parte dos adeptos do Vitória de Guimarães, durante o jogo de domingo.

O incidente aconteceu por volta dos 70 minutos de jogo, depois de o jogador ter marcado o golo que colocou os dragões em vantagem.

Visivelmente perturbado com o que se passava, o avançado maliano acabou por pedir para sair do relvado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.