|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marcelo responde ao caso Marega com pedagogia de reintegração

17 fev, 2020 - 21:32 • Redação

O Presidente da República condena todo o tipo de "violência discriminatória", não querendo entrar em casos concretos. Contudo, pede que se responda com civismo à falta dele.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pede toda uma pedagogia de reintegração, a propósito do caso Marega.

O avançado maliano cansou-se dos insultos racistas de que foi alvo durante a visita do FC Porto ao Vitória de Guimarães e deixou o relvado aos 71 minutos. Em declarações aos jornalistas, à margem de uma reunião com representantes de várias religiões para falar sobre a eutanásia, Marcelo, que já tinha falado de madrugada sobre o caso para a RTP, disse que não quer falar de casos concretos, mas de pedagogia.

"Não gostava de começar agora a individualizar. Prefiro definir-me pela positiva. Eu sou Presidente da República de todos os portugueses e, por extensão, preocupado com todos aqueles que vivem em território português e que se integram na sociedade portuguesa. O que eu quero é que seja feito um esforço de integração em todos os domínios em que possa haver intolerância ou agressividade verbal ou física. É isso que importa e é nesse sentido que se deve fazer pedagogia", sublinhou.

O Presidente da República salientou que todo o tipo de violência, seja ela física ou discriminatória - "sobre o outro ou a outra porque são diferentes de nós" -, "é condenável".

"A discriminação é condenável. Portanto, eu tenho condenado essa discriminação, não entrando em casos singulares, mas sempre que ela se manifesta na sociedade portuguesa", esclareceu.

Racismo pede outra reação


Ainda assim, Marcelo criticou, de forma indireta, a reação de Marega aos insultos racistas que recebeu. O avançado maliano despediu-se dos adeptos do Vitória com dois gestos obscenos (um em cada mão):

"Uma forma muito serena de responder perante provocações dessa natureza é não entrar em contra-provocações imediatas. Os próprios que são atingidos terem o comportamento cívico que não tiveram aqueles que atingiram. Isso é um exemplo de civismo pela positiva. Não quer dizer que as pessoas não possam expressar a sua indignação e o seu repúdio com firmeza, e devem fazê-lo. Não podem é entrar numa escalada que signifique no domínio da violência verbal como doutra violência o criar de uma intranquilidade na sociedade portuguesa."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.