RR
|
A+ / A-

“Vamos ser governo a breve prazo”, acredita Rangel, que vai liderar lista de Rio ao Conselho Nacional

08 fev, 2020 - 17:30 • Eunice Lourenço , Paula Caeiro Varela , Susana Madureira Martins

Eurodeputado defendeu demissão da ministra da Agricultura e questionou intervenção do Governo na justiça

A+ / A-
Paulo Rangel defende referendo sobre eutanásia, para evitar decisão "nas costas dos portugueses"
Paulo Rangel defende referendo sobre eutanásia, para evitar decisão "nas costas dos portugueses"

Paulo Rangel vai liderar a lista da direção nacional de Rui Rio candidata ao Conselho Nacional do partido, apurou a Renascença.

“Estou convicto de que vamos ser governo a breve prazo”, afirmou o eurodeputado Paulo Rangel no seu discurso ao 38.º Congresso do PSD, que decorre este fim-de-semana em Viana do Castelo.

“Vamos ver Rui Rio mais cedo do que tarde primeiro-ministro de Portugal”, tinha começado por afirmar Rangel, num discurso ouvido com grande atenção no Congresso e muito aplaudido.

O primeiro aplauso a Rangel foi, contudo, um aplauso para Zeca Mendonça, o histórico assessor de imprensa do PSD que faleceu no ano passado e que o eurodeputado quis evocar.

Rangel quis deixar claro que Rui Rio pode contar consigo para o que for preciso. E também quis vincular Luis Montenegro e Miguel Pinto Luz, os candidatos derrotados nas diretas de janeiro, à mobilização que o PSD precisa para regressar ao poder rapidamente.

Paulo Rangel considera que esse momento pode chegar mais depressa que o fim da legislatura. Recorrendo à fábula de "Pedro e o Lobo", Rangel considera que o Governo tanto há-de ameaçar que se demite sem se demitir que um dia haverá de ter medo de ameaçar.

Rangel atacou as diferenças de critério na avaliação de atitudes do PS e do PSD. “Se houvesse um ministro da agricultura do PSD que tivesse feito as declarações que fez a ministra da Agricultura, seria obrigado a demitir-se”, disse o eurodeputado a propósito das declarações da ministra que considerou que a epidemia de coronavírus pode ser positiva para a economia portuguesa.

“O que teria sido sido de um Governo do PSD se tivéssemos nomeado uma procuradora-geral da República que está a tentar silenciar” os magistrados?, questionou, ainda, o eurodeputado, que terminou o seu discurso a defender o referendo à eutanásia, como já tinha feito emdeclações à entrada para o congresso.
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.