|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

​OE 2020

Chumbada proposta de redução do IVA da electricidade

06 fev, 2020 - 11:49 • Cristina Nascimento

Deputados chumbaram quer a proposta do Bloco de Esquerda que previa uma redução da taxa do IVA no setor para 13%, quer a do PCP que previa essa redução para a taxa mínima de 6%.

A+ / A-

O Parlamento chumbou a redução do IVA na eletricidade. Os deputados rejeitaram quer a proposta do Bloco de Esquerda (BE) que previa uma redução da taxa do IVA no setor para 13%, quer a do PCP que previa essa redução para a taxa mínima de 6%.

A votação da proposta do PCP foi palco de uma reviravolta política. O PSD tinha anunciado que ia votar favoravelmente, mas acabou por abster-se.

O PS, o PAN, o CDS e a agora deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira votaram contra a proposta do Partico Comunista Português; o PSD e o Chega abstiveram-se e o PCP, o BE, o PEV e a Iniciativa Liberal (IL) votaram a favor.

Já a proposta do Bloco de Esquerda, foi votada contra pelo PS, PAN, CDS e Joacine katar Moreira e votada favoravelmente por PSD, BE, PCP, PEV, Chega e IL.

Esta quinta-feira é o último dia de debate e votação final global do Orçamento do Estado para 2020.

Durante a manhã, o debate foi muito duro, sobretudo entre PSD e PCP, mas também com o Governo, com o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, a dizer, por duas vezes, que o PSD “está aqui numa política de terra queimada”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    06 fev, 2020 Lisboa 14:10
    Com este novo recuo táctico (?) a lembrar a politica desastradamente ziguezagueante do tempo de serviço dos professores (hoje voto a favor, amanhã contra, com umas desculpas que não enganam quem tem 2 dedos de testa) o PSD não só dá mais um tiro nos pés em termos de credibilidade - embora o parolo do Norte se calhar até pense que saíu reforçado deste ziguezague - como mostrou que não aprendeu nada com o que se passou antes. Nova vitória do Costa do PS...