|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Tribunal anula condenação de cardeal francês por encobrimento de abusos

30 jan, 2020 - 13:41 • Ângela Roque , Filipe d'Avillez

O cardeal Barbarin tinha sido condenado a seis meses de pena suspensa. Foi substituído na gestão diária da diocese por um administrador apostólico, mas poderá agora voltar a assumir as rédeas da Igreja em Lyon.

A+ / A-

Um tribunal francês declarou nula a condenação do cardeal Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon por encobrimento de abusos sexuais de um padre da sua diocese.

O cardeal francês foi condenado em primeira instância, em março de 2019, a seis meses de prisão, com pena suspensa, por não ter denunciado comportamentos pedófilos de um dos padres da sua diocese, a diocese de Lyon.

O sacerdote em causa, Bernard Preynat, reconheceu publicamente, em janeiro de 2016, ter abusado sexualmente de menores, nomeadamente de escuteiros que tutelou, nos anos 80 e 90.

O cardeal Barbarin foi acusado de ter sabido das queixas, mas nunca ter denunciado o caso às autoridades.

Aquando da condenação o cardeal chegou a pedir a renuncia do cargo, mas o Papa Francisco recusou, invocando "a presunção da inocência". Em junho de 2020 o Vaticano decretou que embora Barbarin pudesse manter o título de arcebispo de Lyon, seria substituído na gestão diária da diocese por um administrador apostólico.

Anulada a condenação, e tendo em conta que Barbarin está a seis anos da idade em que será obrigado a apresentar a sua resignação, é possível que volte a assumir as rédeas da arquidiocese.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.