RR
|
A+ / A-

Livre admite votar contra o Orçamento do Estado na votação final global

19 jan, 2020 - 12:22 • Susana Madureira Martins, com Rui Barros

Número dois do partido por Lisboa diz que este orçamento é pouco ecologista. E por isso admite que possa valer um voto contra na votação final global.

A+ / A-

No Livre já se coloca a hipótese de votar contra na votação final global do Orçamento do Estado.

Na apresentação das moções no segundo dia do IX congresso do partido, o número dois do partido por Lisboa – e que seria o substituto de Joacine Katar Moreira caso esta renuncie ao mandato de deputada – defendeu um voto contra na votação final global do Orçamento do Estado. Para Carlos Teixeira, falta defesa da ecologia no texto do governo.

“Alguém tem de ser a voz dos que querem uma mudança de paradigma hoje, não no amanhã utópico. Alguém tem de ter a coragem de dizer […] que alguns aumentos no salário mínimo não bastam para aprovar um Orçamento do Estado”, defendeu o membro do partido, que entende que “o risco da destruição da mais importante área protegida europeia para a avifauna junto a Lisboa […] não vale um aeroporto”. “Mas pode bem valer um voto contra no Orçamento do Estado”, acrescentou o número dois do Livre por Lisboa.

As declarações de Carlos Teixeira acontecem no segundo e último dia de congresso do Livre, a decorrer em Lisboa. Apresentadas as moções, segue-se o período de discussão e eleição dos novos órgãos de direção do partido.

Será a direção que sair da votação de hoje que vai decidir o futuro da relação entre o partido e a sua única deputada, Joacine Katar Moreira. A deputada e o partido estão em rota de colisão, tendo estado em cima da mesa este fim-de-semana a hipótese de retirar a confiança política à deputada.

Em votação, e por uma margem de dois votos, o partido decidiu entregar essa decisão à nova direção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    19 jan, 2020 Lisboa 13:35
    Este Circo que é o dito "Livre" tem opiniões fundamentadas para votar contra, ou só querem desviar a atenção do Carnaval que lá se passa?