|
A+ / A-

Rainha lamenta decisão de Harry, mas apoia-o a 100%

13 jan, 2020 - 18:28 • Filipe d'Avillez

A independência financeira de Harry e Meghan é um assunto complexo a resolver pela família, diz Isabel II, que espera conclusões nos próximos dias.

A+ / A-

A Rainha Isabel II lamenta a decisão tomada pelo seu neto Harry e a sua mulher Meghan Markle de se afastarem dos deveres da Família Real e de se tornarem financeiramente independentes, mas diz que o apoia por inteiro.

Depois de uma reunião esta segunda-feira com o príncipe Carlos e os seus dois filhos Harry e William, a Rainha mandou publicar uma nota em que dá conta de uma sessão de trabalho “construtiva” e procura pôr fim a qualquer polémica.

“Hoje a minha família teve uma discussão muito construtiva sobre o futuro do meu neto e da sua família”, começa por escrever Isabel II.

“Eu e a minha família apoiamos inteiramente o desejo de Harry e Meghan de criar uma nova vida para a sua jovem família. Embora preferíssemos que se mantivessem a tempo inteiro ao serviço da Família Real, respeitamos e compreendemos o seu desejo de ter uma vida mais independente enquanto família, mantendo-se como parte valiosa da minha família”, diz ainda o comunicado.

Tal como tinha sido noticiado, o casal Harry e Meghan vão agora dividir o seu tempo entre o Canadá e o Reino Unido, no que Isabel II descreve como um período de transição. Contudo, a Rainha não quer que se perca tempo em encontrar uma solução adequada que permita desvincular o casal dos seus deveres reais, para se tornarem financeiramente independentes, como pretendem.

“Estes são assuntos complexos que a minha família tem de resolver, e há muito trabalho a saber, mas pedi que se chegue a decisões finais ao longo dos próximos dias”, conclui Isabel II no seu comunicado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.