|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Orçamento 2020 outra vez - 14/01/2020
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Orçamento 2020 outra vez - 14/01/2020

J. Taborda da Gama

​Combate às agressões na saúde deve passar por “forte criminalização”

14 jan, 2020 • Pedro Filipe Silva , Cristina Nascimento


Comentador da Renascença considera “inadmissível” situações de violência contra profissionais de saúde.

O comentador da Renascença João Taborda da Gama defende uma “forte criminalização” das agressões contra os profissionais de saúde.

O tema esteve em discussão no espaço de debate no programa “As Três da Manhã”, a propósito da petição que esta terça-feira é entregue no Parlamento.

Taborda da Gama considera “inadmissível o que se está a passar” e pede uma resposta ao Governo.

“É impossível pôr um polícia dentro de cada gabinete onde há consultas, por isso a medida que tem de ser dada deve ser forte na criminalização dessas condutas”, argumenta.

Já o socialista Fernando Medina reconhece que desconhecia a dimensão do problema e considera “essencial que os profissionais de saúde estejam em condições de segurança”.

Desde o início do ano, já foram noticiadas três alegadas agressões a profissionais de saúde: uma enfermeira nas urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e dois médicos, uma no Centro Hospital de Setúbal e outra no Centro de Saúde de Moscavide, em Loures.

Dados divulgados pelo Governo referem que foram reportados, nos primeiros nove meses de 2019, 995 casos na plataforma criada pela Direção-Geral da Saúde (DGS), mais do que em todo o ano de 2018 (953 casos), sendo as injúrias o principal tipo de notificação, representando cerca de 80% do total.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.