|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Mulher inglesa despedida por questionar ideologia de género

19 dez, 2019 - 13:28 • Filipe d'Avillez

Maya Forstater recorreu aos tribunais, mas um juiz concluiu que a sua opinião de que não é possível mudar de sexo “é incompatível com a dignidade humana e com os direitos dos outros”.

A+ / A-

Uma mulher inglesa viu ontem confirmado por um tribunal o seu despedimento por causa de uma série de mensagens no Twitter em que questionava legislação que permite às pessoas identificarem-se como sendo de outro género que não o seu sexo biológico.

Maya Forstater, de 45 anos, foi despedida do “Centre for Global Development”, uma ONG dedicada a combater a pobreza e a desigualdade, depois de ter escrito que “pessoas do sexo masculino não são mulheres”.

Os tweets seguiram-se a uma disputa com um cliente, Gregor Murray, que alegava que estava a ser tratado com pronomes masculinos quando ele se identifica como “não binário” e pede para ser tratado pelos pronomes “they” e “them”, o que em português seria traduzido por “eles”, mas em inglês é um termo neutro. Murray acusou Forster de “transfobia” por identificá-lo como um homem.

“Eu discordo. Na realidade Murray é um homem. Ele tem o direito a acreditar que não é um homem, mas não pode obrigar os outros a acreditar no mesmo”. Acrescentou que tem o direito a tratar pessoas do sexo masculino por “Ele” [“he” e “him”]. “Embora possa optar por usar pronomes alternativos como cortesia, ninguém tem o direito a obrigar outros a fazer afirmações em que não acreditam”.

Descontente com a razão do despedimento levou o caso a tribunal, argumentando que tem direito à sua opinião. O juiz do Tribunal do Trabalho, contudo, discordou.

“Concluo, com base em todas as provas, que a requerente é absolutista na sua visão de sexo e que no cerne desta sua crença está a convicção de que se referirá a uma pessoa pelo sexo que ela considera apropriado, ainda que isso viole a sua dignidade e/ou crie um ambiente intimidatório, hostil, degradante, humilhante ou ofensivo. Esta abordagem não é digna de respeito numa sociedade democrática”, escreveu o juiz.

Na sua decisão o juiz disse ainda que a opinião da queixosa, de que não é possível mudar de sexo, é “incompatível com a dignidade humana e com os direitos dos outros”.

Apoio de J.K. Rowling

Maya Forstater mostrou-se incrédula com a decisão. “Tenho dificuldade em expressar o choque que sinto ao ler esta decisão”, afirmou, em declarações reproduzidas pelo jornal inglês “Daily Telegraph”.

“Esta decisão infringe os direitos das mulheres e o direito à liberdade de crença e de discurso”, concluiu, dizendo que está agora a decidir se vai recorrer da decisão.

Esta quinta-feira a requerente recebeu um apoio de peso. A autora da saga Harry Potter escreveu no Twitter: "Veste-te como quiseres. Chama-te como quiseres. Dorme com qualquer adulto que te aceite com consentimento. Vive a tua melhor vida com com paz e segurança. Mas despedir mulheres por afirmar que o sexo é uma realidade?" terminando com o hashtag "#IStandWithMaya", que significa, "Eu estou com a Maya".

Na sua conta pessoal do Twitter Maya Forstater retweetou a mensagem de Rowling, comentando. "Ai meu Deus! Estamos todos a chorar. Isto é tudo o que eu queria para o Natal."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.