|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Bebé abandonado no lixo. Ministra da Justiça diz que "está tudo a funcionar como devia” com a mãe da criança

15 nov, 2019 - 17:35 • Lusa

Francisca Van Dunem constatou, na cadeia de Tires, que a mãe do bebé abandonado num ecoponto, em Lisboa, está bem de saúde e a receber apoio psicológico.

A+ / A-

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, visitou, esta sexta-feira, na cadeia de Tires, a mãe do bebé abandonado num ecoponto, em Lisboa, tendo afirmado que "está tudo a funcionar como devia”.

No final do breve encontro com a reclusa Sara Furtado, Francisca Van Dunem disse à agência Lusa que a mulher, de 22 anos, está a receber apoio psicológico, depois de ter sido submetida a uma avaliação por parte dos serviços.

“Ela disse-me que tem estado a receber esse apoio”, disse Francisca Van Dunem.

A ministra lembrou que a responsabilidade da administração prisional é certificar-se de que estão a ser prestados todos os apoios médicos, psicológico, psiquiátrico, às reclusas e que o caso desta jovem não é exceção.

“Saio daqui confortada com a ideia de que está tudo a funcionar como devia”, acrescentou.

A jovem sem-abrigo abandonou o seu filho recém-nascido num caixote do lixo em Lisboa e está, há uma semana, em prisão preventiva na cadeia de Tires (Cascais), indiciada por tentativa de homicídio.

Fonte ligada ao processo disse que a jovem é calma, que está muitas vezes absorta no seu mundo e que um dos desejos que tem manifestado é voltar para Cabo Verde para recomeçar a vida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    15 nov, 2019 21:02
    O que a mãe da criança fez, é uma ação abominável. E teria sido uma ação mais abominável se ela, aconselhada por gente ignorante, ou imoral, tivesse matado o filho através de um aborto “limpinho, assético e pago pelo Estado”. No entanto, para bem de todos, o filho está vivo! O aborto provocado é horroroso e anti-natural: tira-se a vida a um ser humano, inocente, indefeso e com a conivência da mãe, do pai, dos médicos, dos enfermeiros, do Estado, etc.…aqueles que tinham obrigação de o proteger.