|

Exclusivo Bola Branca

Franco Cervi: "Bruno Lage não beneficia a formação. Para ele somos todos iguais"

15 nov, 2019 - 09:25 • João Fonseca

O extremo argentino abre o livro e explica porque recusou sair da Luz, das convicções do treinador, do mau desempenho na Liga dos Campeões, da liderança no campeonato, da vontade de voltar às boas exibições e das saudades de Salvio e Jonas.

A+ / A-
Franco Cervi: "Bruno Lage não beneficia a formação. Para ele somos todos iguais"
Franco Cervi: "Bruno Lage não beneficia a formação. Para ele somos todos iguais"

Franco Cervi acredita que Bruno Lage não beneficia a formação em detrimentos dos restantes jogadores do plantel. Em entrevista exclusiva a Bola Branca, o avançado argentino admite propostas no verão e afirma que nunca sentiu que não seria aposta.

O internacional argentino elogia Lage e relembra os bons momentos nas conquistas e a tristeza de terem falhado o penta, só superado pela reconquista do título de campeão nacional, na última temporada.

Jonas e Salvio são referências incontornáveis na sua carreira, e revela os jogadores da formação que mais o impressionaram e principalmente a maturidade que apresentam ao chegar ao topo da pirâmide.

A responsabilidade pela liderança no campeonato no campeonato e o desejo ainda presente de diminuir os maus resultados na Liga dos Campeões, são também temas de uma conversa que começou exatamente pelo início, a época de 2016/2017, ainda com a liderança de Rui Vitória e a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira.

Aos 25 anos e com quatro anos de águia ao peito, Cervi soma 124 jogos e cinco títulos: dois campeonatos, uma Taça de Portugal e duas Supertaças Cândido de Oliveira.

Bola Branca: Está a começar a quarta temporada no Benfica. Que memórias guarda desde o primeiro dia?

Franco Cervi: Tenho um grande momento vivido neste clube. Quando eu cheguei, no primeiro jogo oficial pelo Benfica, conquistei logo um título, que foi a Supertaça, e a verdade é que essa é uma excelente recordação. Em jeito de balanço, já vivi bons momentos com este grande clube.

Bola Branca: Qual foi o melhor momento de todos até agora? Foi esse?

Franco Cervi: Há muitos, não consigo escolher só um. Ter conseguido conquistar o meu primeiro campeonato, para mim, foi encantador. Depois, no ano passado, também foi um grande torneio que conquistámos. Basicamente, os melhores momentos que recordo surgem quando levantamos os títulos.

Bola Branca: E os piores momentos? Tem algum?

Franco Cervi: Sim, mas tento sempre olhar para eles como uma forma de melhorar.

Bola Branca: Mas qual é aquele que o marcou mais?

Franco Cervi: No campeonato, depois de termos conquistado o tetra, fizemos um bom trabalho no segundo semestre, mas acabamos por não ganhar.

Bola Branca: O penta era o objetivo e não conseguiram.

Franco Cervi: Sim, mas o objetivo era ganhar o campeonato, até porque este clube merece sempre acabar assim. Mas acho que demos a volta a isso com a grande reconquista que foi o campeonato passado.

Bola Branca: Chegou com Rui Vitória e, agora, apanhou Bruno Lage. Sente que, com Lage, começou a perder algum espaço na equipa?

Franco Cervi: Não, não. Acho que a vida de um jogador é assim, estás a jogar e tens de trabalhar sempre no máximo para conseguires jogar e, se a oportunidade não está a chegar, tem que se lutar e trabalhar para que volte a chegar. O jogador tem de estar sempre concentrado e, se não jogar, trabalhar mais para que, quando a oportunidade chegar, a consiga aproveitar.

Bola Branca: Pergunto isto porque, no início desta época, se falou que podia sair do Benfica. O seu agente, inclusive, chegou a falar do Getafe. Sei que teve algumas sondagens para jogar fora de Portugal. Esteve mesmo para sair do Benfica?

Franco Cervi: Sei que se falou muito, mas eu sempre tive o foco e a intenção de ficar neste clube. Estou muito bem aqui. Queria lutar e trabalhar para voltar a ter a minha oportunidade, porque aqui sou muito feliz. Gostei muito de ter escolhido continuar aqui.

Bola Branca: Mas houve propostas?

Franco Cervi: Sim. Mas havendo ou não, eu não estive muito focado nisso. O meu foco esteve na pré-época. Tudo o que se falou estava entregue a outras pessoas. Eu só pensava no meu trabalho e em ficar aqui.

Bola Branca: O Cervi é que quis ficar no Benfica? Houvesse que proposta houvesse, queria continuar aqui? Sempre acreditou que ia continuar a vingar no Benfica?

Franco Cervi: Sim. Um jogador, quando tem o interesse de sair, pode ir e escolher outro caminho, mas eu sempre decidi lutar e esperar pela minha oportunidade.

Bola Branca: No início desta época, não jogou. Começou a entrar a partir da quinta jornada, aliás, começou precisamente na Liga dos Campeões. Porque é que acha que não entrou logo de início?

Franco Cervi: Porque a equipa sempre esteve muito bem. Eu não tive a oportunidade de começar a jogar, continuei a trabalhar com o grupo e sabia que, eventualmente, podia ter a oportunidade. Um jogador tem que trabalhar para esperar essa oportunidade que tanto procura.

Bola Branca: Duvidou que fossem apostar em si?

Franco Cervi: Não, nunca se deve duvidar. Tem que se trabalhar e, quando chegar a oportunidade, estar ao máximo nível.

Bola Branca: O Bruno Lage já o elogiou, numa conferência de imprensa, dizendo que traz à equipa alguma segurança defensiva. O Cervi é um jogador que gosta de estar mais lá na frente, de assistir, de fazer golos. Sente que mudou também como jogador? Tem outro tipo de preocupação mais defensiva?

Franco Cervi: Um jogador tem sempre de evoluir. Sempre fui um jogador que se dedicou mais à procura do golo e da assistência, mas para se ser um grande jogador tem que se evoluir e aprender outras coisas. Se a equipa precisar que eu faça mais a parte defensiva, tenho de fazer, porque o mais importante é a equipa. Se tiver de defender, defendo, se tiver de atacar, ataco. Durante o jogo, tento fazer as duas coisas e há que continuar a evoluir.

Bola Branca: Joga com o Grimaldo de olhos fechados já?

Franco Cervi: (risos) Sim, sim. Quando eu cheguei, ele já estava aqui, falamos a mesma língua, o que me ajudou, porque quando eu cheguei não percebia muito bem o português. Começamos a jogar juntos e já lá vão alguns anos assim, já nos conhecemos bem.

Bola Branca: Dá a ideia que adivinham o que o outro vai fazer, parece que jogam juntos desde sempre?

Franco Cervi: Sim, chega a parecer um pouco isso. Ele gosta de jogar, de tabelar, então acabamos por ter uma boa ligação.

Bola Branca: Em relação à equipa do ano passado, faz muita diferença não ter João Félix e Jonas?

Franco Cervi: Acho que soubemos aproveitar bem e desfrutar de ver jogar estes jogadores, deram muito à equipa. Este ano, chegaram novos jogadores que se estão a adaptar e que são muito bons jogadores. Sabemos que têm qualidade, estamos a gostar de os ter como companheiros e esperamos ajudar da melhor maneira.

Bola Branca: Esperava que o Jonas terminasse carreira na época passada?

Franco Cervi: Se fosse por mim, eu queria ter sempre o Jonas no relvado e no balneário. É uma grande pessoa e acho que ninguém na equipa queria que ele terminasse carreira.

Bola Branca: Mas perceberam?

Franco Cervi: Sim, percebeu-se. Foi uma decisão dele, que ele tomou com a sua família e nós apoiamos sempre. Se ele continuasse, ficaríamos felizes, se ele decidiu assim foi porque era o que queria.

Bola Branca: A formação do Benfica tem sido uma grande aposta do clube. Como é que têm recebido estes jovens que se têm afirmado na equipa principal? O que é que acha deste projeto de aposta do Benfica?

Franco Cervi: É muito bom. Aqui, na formação, tens jogadores de grande qualidade. Quando entram no plantel, adaptam-se muito rápido e nós tentamos ajudar também. Quando estão connosco, passam a fazer parte da nossa família.

Bola Branca: Quais foram os jogadores que mais o impressionaram?

Franco Cervi: Lembro-me de muitos. Lembro-me que, quando o João [Félix] começou a aparecer, gostei muito. Quando cheguei, também havia [Nélson] Semedo, [Gonçalo] Guedes, que eram jogadores da formação também. Eu pensava "que grandes jogadores que há aqui". Os que estão agora também têm muita qualidade e futuro.

Bola Branca: O facto do Bruno Lage ter vindo da formação para tomar conta da equipa principal faz com que ele olhe de maneira diferente para os jogadores da formação e para os que não são da formação. Vocês, que estão no balneário e convivem com ele todos os dias, acham que Bruno Lage beneficia mais os jogadores da formação do que os outros?

Franco Cervi: Penso que não. Como falei antes, quando eles entram no nosso plantel e começam a fazer parte da nossa equipa, somos todos iguais e não acho que beneficie mais uns e não outros. Ele pensa que somos todos iguais e que é no campo que se vê tudo. Tanto os miúdos como os que já aqui estão há algum tempo têm de ter rendimento para estarem na equipa.

Bola Branca: Gosta dele como treinador?

Franco Cervi: Sim, gosto muito. Pela forma como jogamos, pela forma como a equipa pressiona. Acho que estamos a fazer um grande trabalho.

Bola Branca: É um treinador que surpreendeu muita gente, porque veio da formação, que não tinha grande currículo e que, estando como treinador principal, já bateu muitos recordes.

Franco Cervi: Sim, isso por si só já fala muito sobre o treinador que é. Não é fácil chegar assim, num momento complicado do clube, e fez uma grande segunda volta em que a equipa jogou muito bem e fizemos grandes jogos. Acabou por ganhar o campeonato e agora continua a tentar fazer o mesmo e a melhorar muito.

Bola Branca: Mas as pessoas dizem que o Benfica joga pior este ano. Porquê?

Franco Cervi: Acho que todos podem opinar, todos falam, mas nós estamos focados no nosso trabalho. Temos de pensar nisso e continuar a melhorar no campo.

Bola Branca: O que é que se passa com a equipa na Liga dos Campeões?

Franco Cervi: As coisas não aconteceram como nós esperávamos, mas ainda temos oportunidade de passar. E, enquanto houver oportunidade, vamos até ao fim para ganhar e tentar dar o nosso melhor nesta competição.

Bola Branca: O Zenit, o Leipzig e o Lyon não são melhores que o Benfica?

Franco Cervi: Acho que são grandes equipas como o Benfica. Se formos para o jogo a pensar em fazer o nosso trabalho, então temos muitas chances para ganhar. Estamos focados nisso.

Bola Branca: Como é que vai ser o campeonato este ano? Vai ser com o FC Porto até ao fim?

Franco Cervi: Penso que ainda falta muito para se afirmar isso. Mesmo estando na liderança agora, isso pouco importa. Temos de continuar a trabalhar como temos vindo a trabalhar e não relaxar nunca, porque temos muitos jogos por jogar e há que continuar neste lugar em que gostamos de estar.

Bola Branca: Sente que este ano está mais difícil?

Franco Cervi: Com a experiência que já tenho do campeonato e de ter jogado aqui, penso que há sempre exigência com o Benfica. A exigência é máxima quando jogamos um jogo do campeonato e nós já sabemos como é que isso é. Não é mais fácil, nem mais difícil. Sabemos que representamos o Benfica e que temos de fazer o melhor para conseguirmos a vitória.

Bola Branca: Nesta temporada que ainda está no começo, os momentos mais complicados para o plantel têm sido estes maus resultados na Liga dos Campeões e a derrota em casa frente ao FC Porto? Foram esses os momentos mais difíceis?

Franco Cervi: Sim, podem ter sido. Mas sabíamos que ainda nada tinha acabado, que ainda ficava muito por jogar e temos demonstrado que podemos mudar tudo. Agora, estamos numa fase em que temos de continuar a trabalhar e a tentar manter a nossa identidade de jogo e o rumo das vitórias.

Bola Branca: As pessoas sentem que aquela derrota com o FC Porto marcou muito a equipa.

Franco Cervi: Não, porque depois a equipa teve personalidade e continua a fazer o mesmo, a ganhar. Foi uma derrota, mas não mudou nada, porque a equipa respondeu com grande personalidade e não ficou presa nesse jogo.

Bola Branca: Qual é a sua opinião sobre o VAR?

Franco Cervi: Penso que é bom. Tudo o que seja para melhorar as condições do jogo e para diminuir os erros é bom.

Bola Branca: Mas falhou agora nos Açores, contra o Santa Clara, naquele lance consigo.

Franco Cervi: Sim, penso que era penálti, porque vi a jogada. Mas há que perceber que, se calhar, o árbitro não viu essa falta ou pensou que não era, não acredito que tenha sido com má intenção. São coisas que podem acontecer também, mas acho que o VAR é bom.

Bola Branca: Começamos a aproximar-nos do final deste ano, vem aí de novo o mercado de transferências, volta a falar-se de jogadores para o Benfica, de jogadores que podem jogar na posição em que joga. Fala-se de um jogador do Fluminense, um colombiano chamado Yony González. Essas notícias mexem emocionalmente consigo?

Franco Cervi: Não, porque, no Benfica, já sabemos que é assim, temos de estar sempre ao maior nível e estar focados no trabalho que se tem de fazer para a equipa. Não se pode dar foco a tudo o que se fala, tem de se estar focado no que se faz dentro do campo, nas exibições e trabalhar para isso.

Bola Branca: Foi no Benfica que chegou à seleção.

Franco Cervi: Sim.

Bola Branca: Como é que foi esse momento?

Franco Cervi: Foi um grande momento, porque sempre trabalhei para isso também. Estou muito feliz por estar aqui, por jogar no Benfica, e a possibilidade de chegar à seleção foi muito boa e foi um momento muito importante para mim.

Bola Branca: E quando é que volta?

Franco Cervi: Para isso, tenho de continuar a trabalhar. É um grande objetivo para mim e penso que só lá chegarei se trabalhar e tiver bom rendimento. É nisso que estou focado.

Bola Branca: Como é que foi a saída do Salvio do Benfica?

Franco Cervi: Foi uma decisão que ele tomou. Eu tinha um grande afeto por ele, porque quando aqui cheguei falou muito comigo, ajudou-me muito a adaptar-me.

Bola Branca: Era a sua referência aqui?

Franco Cervi: Sim. Quando eu cheguei, no primeiro dia com ele e com o Lisandro também, ajudaram-me logo muito e também partilhámos momentos em dias livres com a família, então, sim, a saída dele foi difícil. Mas ainda mantemos contacto.

Bola Branca: É verdade que chegou a ter hipótese de ir com ele para o Boca Juniors?

Franco Cervi: Sim, também se falou nisso. Aliás, nesse momento, falava-se de tudo, que eu podia ir com ele, que podia ir jogar para outro sítio. Mas eu sempre tive a minha cabeça no Benfica, em ficar aqui e lutar para jogar neste clube que eu amo. Estou muito bem aqui.

Bola Branca: Qual é o objetivo nesta época?

Franco Cervi: O objetivo é sempre continuar a ganhar títulos com este clube, porque é disso que qualquer jogador gosta quando joga aqui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • manuel ferraz
    15 nov, 2019 13:23
    estavas tão bem calado Cervi. Joga á bola e não dês entrevistas só te queimas, alias se fosse presidente para além de já estares queimado era mais uma.