|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Tem uma sugestão para resolver problemas na área do Emprego ou Segurança Social? Então envie um email à ministra

11 nov, 2019 - 20:11 • Ana Carrilho

O enderenço de correio eletrónico já está ativo e Ana Mendes Godinho não teme que encha rapidamente. “É um risco bom, é sinal que a participação é grande e é isso que se pretende”, disse a ministra em declarações à Renascença.

A+ / A-

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social anunciou esta segunda-feira a criação de uma caixa de correio eletrónico destinada a receber contributos de todos os cidadãos. Uma ideia inédita da parte de um governo e que pode resultar em medidas legislativas.

A propostas.mtsss@mtsss.gov.pt já está ativa e Ana Mendes Godinho não teme que encha rapidamente. “É um risco bom, é sinal que a participação é grande e é isso que se pretende”, disse a ministra em declarações à Renascença.

Mas atenção: a caixa de correio só recebe contributos; não é para atender casos concretos, “esses terão de ser tratados nos serviços próprios”.

A novidade surgiu, “quase de fugida”, na intervenção que a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social fez esta segunda-feira à tarde na apresentação dos Prémios Santa Casa Longevidade, criados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Na altura, Ana Mendes Godinho referiu que “este é um país para todos, novos e velhos”. E precisa do contributo de todos.

À Renascença, a ministra revelou ainda que a ideia é envolver as pessoas através das propostas que têm para as várias áreas do Ministério, nomeadamente Demografia, Natalidade, Envelhecimento Ativo ou conciliação da vida pessoal e familiar.

Depois serão avaliadas pela equipa ministerial e algumas delas poderão dar origem a medidas a implementar pelo Governo. “Na prática, é organizar uma série de ideias que as pessoas vão dando de forma avulsa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ROSALINA RIBEIRO
    16 dez, 2019 Estrada Nacional 114 nº 192 Ribeira de São João 2040-511- Rio Maior 11:24
    Reclamação: tenho 69 anos só comecei a trabalhar como cozinheira desde 2006, trabalhei até ao ano de 2009, por motivos de doença, pedi uma reforma de velhice foi negada, gostaria de saber porque eu não tenho direito a reforma de velhice e os ciganos e migrantes recebem reformas e subsídios neste caso para os migrante, sou Portuguesa, como tal acho-me no direito de ter a minha própria reforma, o meu marido recebe de reforma 922 euros, mas a reforma é do trabalho dele. tenho a minha casa penhorada, sou uma mulher doente com muitos problemas de saúde, tenho Diabetes, Tiróide, problemas renais, no dia 6 de Dezembro sofri um enfarte, tenho desde o ano de 1998 muitas depressões numa delas no ano de 2000 fiz um,a tentativa de suicídio, tomo muita medicação, todos os meses gasto na farmácia mais de 150 euros, também não me dão o apoio jurídico de que necessito para processos que tenho em tribunal, mas afinal porque a uns se dá tudo e a outros não se dão nada preciso urgente de uma ajuda agradeço Sr. Ministra Dr. Ana Mendes Godinho, fico à espera de sua resposta o meu contacto telemóvel é 913438250. Sem mais agradeço atenção de me dar uma resposta .