A+ / A-

"O pior ainda está para vir". Bolsonaro admite mão criminosa no derrame de petróleo que atingiu o Brasil

04 nov, 2019 - 07:49 • Redação

O derrame, que aconteceu há cerca de dois meses, afetou 2.100 quilómetros da costa brasileira e contaminou mais de 300 praias no nordeste do país. O presidente brasileiro fala numa catástrofe.

A+ / A-

Jair Bolsonaro admitiu, este domingo, existir mão criminosa no derrame de petróleo que contaminou mais de 300 praias do nordeste do Brasil. Em entrevista à Record TV, o presidente brasileiro fala numa catástrofe e diz que "o pior ainda está para vir".

"O petróleo pode ter passado pelo Brasil e regressado à costa africana ou outro local qualquer. Nós temos o anúncio de uma catástrofe que está por ocorrer por causa deste derrame, que pelo que tudo parece foi criminoso”, adiantou.

O derrame, que aconteceu há cerca de dois meses, a 2 de setembro, afetou 2.100 quilómetros da costa brasileira, prejudicando a pesca e o turismo.

O parque natural marinho de Abrolhos, no estado da Bahia, é um dos locais afetados pelo derrame.

Segundo as autoridades brasileiras, o petróleo é proveniente da Venezuela e foi derramado por um navio de pavilhão grego que pertence à empresa Delta Tankers, que nega a acusação e alega que não há vestígios de fuga no petroleiro.

Em comunicado, a empresa gestora do Bouboulina, o petroleiro que as autoridades brasileiras acreditam estar por trás do derrame, garantiu que o petroleiro saiu da Venezuela no dia 19 de julho e "foi diretamente para Melaka, na Malásia", onde descarregou a carga total sem perdas.

De acordo com a Delta Tankers, a embarcação não parou, não fez nenhum tipo de operação de transbordo de navio para navio, não sofreu nenhum vazamento, ou se desviou da rota definida.

Petróleo derramado atinge área protegida de corais no Brasil
Petróleo derramado atinge área protegida de corais no Brasil
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 05 nov, 2019 14:48
    Quem e este aldrabao "que afirma que se pode comer peixe e camarao!