RR
|
A+ / A-

Associação Médica Mundial rejeita eutanásia e suicídio assistido

27 out, 2019 - 12:46 • Filipe d'Avillez

A declaração, feita nas últimas horas, surge dois dias depois de o Bloco de Esquerda ter apresentado um projeto de lei para a legalização da prática em Portugal.

A+ / A-

A Associação Médica Mundial reafirma o seu “firme compromisso” a favor do respeito pela vida humana, rejeitando desta forma a eutanásia e o suicídio assistido.

Dois dias depois do Bloco de Esquerda ter apresentado no Parlamento um projeto para a legalização da Eutanásia – tema que já está a gerar forte controvérsia – foi divulgada, nas últimas horas, uma tomada de posição sobre o tema, pela Associação Médica Mundial.

No comunicado, a que a Renascença teve acesso, a AMM deixa clara a sua “oposição firme à eutanásia e ao suicídio assistido”.

“Nenhum médico deve ser obrigado a participar na eutanásia ou num suicídio assistido, nem deve ser obrigado a fazer encaminhamentos neste sentido”, lê-se ainda na declaração.

A declaração faz ainda questão de sublinhar a diferença entre a eutanásia, “a administração deliberada de uma substância letal, ou uma intervenção no sentido de causar a morte a um doente” e a recusa por parte do doente de se submeter a tratamentos que possam prolongar a sua vida. Neste último caso, diz o comunicado, “o médico que respeita o direito básico do paciente de recusar tratamento médico não está a agir de forma pouco ética”, lê-se, “ainda que o respeito por essa vontade do paciente resulte na sua morte”.

A eutanásia e o suicídio assistido são permitidos em alguns países do mundo, mas na esmagadora maioria continuam a ser proibidos. Em Portugal o assunto foi discutido no Parlamento na passada legislatura e chumbado. O Bloco de Esquerda apresentou já um novo projeto de lei, que deve ser aprovada, tendo em conta o crescimento do Bloco de Esquerda, Partido Socialista e PAN na Assembleia da República e a diminuição de influência de CDS e PCP, os dois partidos que votaram em bloco contra a proposta.

Sabendo que a aprovação é quase certa, a Federação Portuguesa Pela Vida anunciou no sábado, durante a Caminhada Pela Vida, que vai proceder à recolha de assinaturas para que o tema seja levado a referendo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.