Tempo
|
A+ / A-

Sporting

"Claques defendem Bruno de Carvalho". Dias da Cunha ao lado de Varandas

25 out, 2019 - 12:45 • Rui Viegas

Último presidente campeão em Alvalade considera que grupos organizados admiram Bruno de Carvalho, o que também justifica os comportamentos recentes. Dias da Cunha visa ainda os que se perfilam para a sucessão de Frederico Varandas.

A+ / A-

António Dias da Cunha considera que Frederico Varandas fez bem em cortar os benefícios às claques.

Em declarações a Bola Branca, o ex-presidente do Sporting, entre 2000 e 2006, aplaude a decisão tomada pela actual direção, numa altura em que Varandas e seus pares mantêm uma desavença com "Juventude Leonina" e "Directivo Ultras XXI", em particular.

"Têm sido um problema sério. Eu acho que ele o resolveu muito bem, com a decisão que tomou. No meu tempo, passámos a dialogar regularmente e acertávamos aquilo que havia que acertar. Foi um relacionamento excelente até eu ir embora", começa por adiantar Dias da Cunha, de 86 anos, para quem o problema esconde ainda uma cara.

"As claques são, desde do princípio, contra ele, porque defendem o Bruno [de Carvalho]. As claques querem correr com ele e isso torna as coisas muito difíceis, porque [Bruno de Carvalho] é quem eles admiram e consideram", defende o antigo presidente, que considera que Bruno de Carvalho está a instrumentalizar as claques.

"Não são só as claques" que dificultam a missão de Varandas

Todavia, também, para o último presidente campeão pelo Sporting, não são só as claques que têm dificultado a missão do atual Conselho Directivo. Sem concretizar, António Dias da Cunha aponta o dedo a outros ex-dirigentes do universo sportinguista.

"Não são só as claques que estão a procurar correr com o presidente. Há ex-dirigentes que já se veem como candidatos a presidentes. O movimento não é só das claques. Há quem pretenda o lugar e esteja a contribuir para tornar a condução do Sporting difícil. Dou-lhe o meu total apoio. Tudo em nome da estabilidade, mas porque o considero uma pessoa absolutamente capaz de desempenhar o lugar de presidente do Sporting neste momento muito difícil que o clube está a viver. O meu conhecimento pessoal dele foi adquirido quando se candidatou a presidente. Transmitiu-me essa competência, essa confiança", assegura.

Saída de Keizer foi "um erro"

De qualquer modo, a terminar, o ex-presidente não deixa de criticar a mudança técnica que levou à entrada de Jorge Silas para o lugar de Marcel Keizer.

"Considero que houve um erro. Foi o despedimento do Keizer. A partir daí o Sporting não parou de entrar em complicações. A equipa enfraqueceu ainda mais", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    26 out, 2019 Moura 01:17
    O B.C. ainda hoje podia ser o Presidente se não fosse um tresloucado, começou bem mas estragou tudo.
  • José Fernandes
    25 out, 2019 15:40
    O mal é que estes "notáveis" pensam que são os donos legítimos do clube. Eles pensam que o Sporting é apenas de Lisboa e é deles. Não sabem nada. Isso de darem sempre a desculpa do Bruno para todos os males do Sporting é uma asneira, um autêntico disparate. O clube sou eu, que vivo no Interior, do tipo de Bragança que faz centenas de quilómetros para ver um jogo do SCP, da família alentejana que chora quando vê o clube perder, do miúdo do Algarve que nunca viu o Sporting ser campeão, etc.. O Sporting somos nós. Peçam opinião aos verdadeiros sportinguistas, os "notáveis" do Sporting querem servir-se do clube, como sempre se serviram, têm o clube como um reino em que pensam que o presidente é escolhido seguindo uma linhagem, como tem sido nos últimos anos. Deixem o Bruno de Carvalho em paz, o BdC já nem sócio é. Mas se quiserem falar nele têm que falar no Pavilhão João Rocha, das modalidades, da SportingTv, dos lucros da SAD, dos recordes de vendas, das lotações do estádio, das presenças nas liga dos campeões, etc. Sejam corretos e deixem-se de vez de balelas.