|
A+ / A-

Governo anuncia acordo para dívida do sistema de ação social dos militares

22 out, 2019 - 00:58 • Lusa

De acordo com a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, o instituto que gere o subsistema dos militares não procede aos pagamentos em falta há ano e meio.

A+ / A-

Os ministérios da Defesa Nacional e das Finanças assinam "até ao final da semana" um acordo para a regularização de dívidas do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) aos prestadores de saúde, foi anunciado esta segunda-feira.

Os dois ministérios informaram, em comunicado do gabinete do ministro da Defesa Nacional, que "será assinado, até ao final desta semana, um memorando de entendimento que definirá as bases do plano de regularização de dívidas" do IASFA.

A rádio TSF noticiou um alerta da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) para a situação "insustentável" do IASFA, que não procede aos pagamentos em falta há ano e meio, sobretudo a operadores privados de saúde, que, no total, ascende a mais de 90 milhões de euros, devendo também mesmo esta segunda-feira ser suspensa a convenção que permite os tratamentos de militares nas unidades de saúde Lusíadas.

Este plano prevê "um conjunto de medidas" para "regularizar a dívida acumulada num prazo de três anos, incluindo uma primeira transferência já em 2019" lê-se ainda no comunicado, acrescentando que, logo após a assinatura do memorando, "o IASFA abrirá imediatamente um processo de negociações com os prestadores privados de saúde".

De manhã, após ser divulgada a notícia, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, garantiu para "hoje ou amanhã [terça-feira]" ainda um anúncio conjunto com o Ministério das Finanças sobre regularização da dívida do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA), que ascende a cerca de 90 milhões de euros, o que se confirmou com o comunicado de segunda-feira à noite.

Ainda segundo a TSF, a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) avisou que os militares estão "zangados" com a questão, temendo que mais unidades de saúde privadas possam vir a suspender os acordos que mantêm com o IASFA para atendimento de elementos das Forças Armadas devido à falta de cumprimento das dívidas.

Em 27 de setembro, o grupo Lusíadas Saúde já tinha anunciado a decisão de suspender as convenções com o Instituto de Ação Social das Forças Armadas, devido a uma dívida de cerca de 7,8 milhões de euros, de acordo com um documento a que a Lusa teve então acesso.

No documento diz-se que o Conselho de Administração vai suspender as atuais convenções no regime concessionado do IASFA e que só aplica o atual acordo a beneficiários com consultas, exames e cirurgias até 21 de outubro.

O grupo falava de "incumprimento reiterado" dos pagamentos e diz que nos últimos meses tentou, junto do instituto, um plano de regularização da dívida.

Apesar da abertura para resolver o problema, o IASFA não chegou a fazer qualquer proposta, "alegadamente devido à inexistência das condições e autorizações necessárias por parte das tutelas", segundo o documento a que a Lusa teve acesso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.