|
A+ / A-

​Militares com “espada sobre a cabeça” preocupados com possível rutura com Hospitais Lusíadas

21 out, 2019 - 11:50 • Ana Rodrigues

Em causa está o pagamento de uma dívida acumulada de 7,8 milhões de euros que o grupo privado quer resolver.

A+ / A-

A partir desta segunda-feira, se não houver acordo, os militares não poderão mais ir a consultas ou fazer tratamentos nos hospitais do grupo Lusíadas. Segundo apurou a Renascença, ainda não há entendimento entre a Lusíadas Saúde e Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA), organismo responsável pela gestão do subsistema da ADM – Assistência na Doença aos Militares.

Em causa está o pagamento de uma dívida acumulada de 7,8 milhões de euros que o grupo privado quer resolver.

Para já está tudo em aberto e ainda não há resposta do Ministério das Finanças e do Ministério da Defesa Nacional sobre o plano de pagamentos da dívida que tem vindo a ser acumulada.

A situação está a preocupar os militares. O presidente da Associação Nacional de Sargentos disse à Renascença que “são muitos os militares, nesta altura, a serem acompanhados por médicos do Hospital Lusíadas e que se não houver entendimento vão perder o acompanhamento por clínicos em quem confiam”.

Para António Lima Coelho “não é aceitável que os militares estejam permanentemente com a espada em cima da cabeça por causa de falhas de pagamentos, dependentes de uma decisão de um ou outro grupo de saúde, para responder à sua condição militar”.

Se não houver acordo, os militares que se dirigirem às unidades hospitalares da Lusíadas Saúde não vão poder usufruir das condições da convenção estabelecida entre o prestador privado e o IASFA.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    21 out, 2019 Coimbra 18:01
    Porque razão não existe só um sistema de saúde em Portugal. Os trabalhadores privados, têm que se cingir ao SNS ou pagam por fora, Os funcionários públicos, forças de segurança e militares, têm serviços próprios, com melhores condições que os restantes!!!! Se estamos numa democracia, onde a igualdade é defendida, devia haver um único serviço de saúde para toda a população.