|
A+ / A-

Brexit adiado por três meses? Boris Johnson envia mas não assina carta a Bruxelas

20 out, 2019 - 11:02 • Marina Pimentel , Marta Grosso

Foram enviadas três cartas diferentes. Primeiro-ministro britânico insiste que não quer o adiamento e ministro garante que a saída do Reino Unido vai acontecer a 31 de outubro.

A+ / A-

Depois de dizer que não o iria fazer, o primeiro-ministro britânico acabou por cumprir a lei e mandou para Bruxelas o pedido de adiamento do Brexit. Contudo, decidiu não assinar o documento.

É um gesto simbólico da sua parte para mostrar oposição ao adiamento – recorde-se que Johnson tinha dito que se atiraria para a valeta se tivesse de pedir aos líderes europeus para voltar a adiar a saída do Reino Unido.

Segundo fontes europeias, na verdade seguiram três cartas para Bruxelas: uma a pedir o adiamento, outra a dizer que a iniciativa é do Parlamento e não do Governo britânico e uma terceira em que o primeiro-ministro pede que a União Europa não aceite o pedido.

“Deixei muito claro, desde que me tornei primeiro-ministro, e hoje outra vez, a minha posição de que mais um adiamento irá prejudicar os interesses do Reino Unido e dos nossos parceiros europeus, bem como a relação com a União Europeia”, refere na terceira carta, que assina.

Mas, afinal, o que pediu Boris Johnson? Um adiamento de três meses, estendendo o período de negociação a 31 de janeiro de 2020.

Entretanto, Boris Johnson garante que não vai negociar o adiamento e marcou uma nova votação do acordo para a próxima semana.

Do lado da União Europeia, o presidente do Conselho já confirmou ter recebido a carta e diz que vai agora falar com os líderes europeus.

A resposta europeia pode demorar ainda alguns dias. Neste domingo, estará a ser “cozinhada” pelos representantes permanente dos países junto da União Europeia e depois deverá ser convocado um Conselho Europeu extraordinário para fixar uma posição comum.

Tendo em conta a confusão em que está todo o processo do Brexit, não deverão ser as instituições europeias a criar mais, pelo que a resposta deverá ser positiva. A União Europeia não deverá, contudo, ir além do acordo já negociado e aprovado no dia 17 de outubro.

“Vamos sair no dia 31”

O Brexit vai acontecer no dia 31 de outubro, garante o ministro Michael Gove, apesar da votação de sábado no Parlamento e da(s) carta(s) enviadas a Bruxelas.

“Vamos sair no dia 31 de outubro. Temos os meios e a capacidade para o fazer”, garantiu este domingo o ministro responsável pelas preparações do Brexit.

“A carta foi enviada porque o Parlamento assim o requereu, mas o Parlamento não pode alterar o que vai na cabeça do primeiro-ministro, não pode mudar a política do Governo ou a sua determinação”, destacou ainda em entrevista à Sky News.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.