A+ / A-

Juiz desembargador afastado de concurso por ter mau feitio

18 out, 2019 - 07:49 • Marina Pimentel

Eurico Reis vai apresentar recurso ao Conselho Superior da Magistratura.

A+ / A-

Eurico Reis está fora da lista de magistrados responsáveis pela nova secção do Tribunal da Relação de Lisboa, relativa à propriedade intelectual e concorrência, supervisão e regulação, que começa a funcionar esta sexta-feira. O juiz desembargador foi afastado do concurso por ter mau feitio.

Para a nova secção candidataram-se seis juízes da área do cível, contudo o presidente do Tribunal da Relação de Lisboa apenas validou a candidatura de dois. O terceiro candidato cumpria a condição da antiguidade e da experiência em matéria de direito da concorrência, mas foi excluído por Orlando Nascimento, por alegadamente ter dificuldades de relacionamento com os seus colegas.

Segundo o presidente da Relação de Lisboa, essas dificuldades são supridas numa secção com mais de 12 pessoas, mas não numa com apenas três juízes, como é o caso da secção de propriedade intelectual.

O juiz em causa é Eurico Reis. À Renascença, o desembargador revela que vai apresentar recurso ao Conselho Superior da Magistratura, pois considera que a decisão não está fundada em provas, considerando-a nula.

“Mesmo que existam divergências de caráter pessoal – o que é falso – os códigos de processo dizem como é que as pessoas têm que se relacionar e se cumprirem não há problema nenhuma”, explicou o magistrado, assegurando que vai utilizar os mecanismos legais para se opor a esta decisão.

Em substituição de Eurico Reis, que tem uma larga experiência em matéria de direito da concorrência e foi uma das pessoas que mais pugnou pela instalação da secção no Tribunal da Relação de Lisboa, Orlando Nascimento selecionou um juiz da área criminal que não se tinha candidatado, por considerar a especialização no crime uma componente essencial para a nova secção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    19 out, 2019 évora 14:39
    As Magistraturas quer do MP ou Judiciais movem-se na lama deixada pela herança Nazi .