Venezuela

"Já não estou preso mas a minha cela não está vazia, há gente inocente a ser torturada"

10 out, 2019 - 14:25 • Vasco Gandra, correspondente em Bruxelas

Em entrevista à Renascença, o ativista venezuelano Lorent Saleh diz que se "mantém o estado de terror" no seu país-natal, de onde foi expulso há um ano. Laureado com o Prémio Sakharov em 2017, juntamente com outros membros da oposição democrática da Venezuela e representantes de prisioneiros políticos, Lorent Saleh esteve detido durante quatro anos pelo regime - sem acusação nem julgamento.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.