Geringonça 2.0, hecatombes ou a revolução dos pequenos. A noite em que a extrema-direita entrou no Parlamento

07 out, 2019 - 03:44 • Inês Rocha , Rodrigo Machado

Os portugueses "gostam da geringonça"? António Costa não tem dúvidas que sim, e quer construir uma nova. Catarina não se põe de fora, mas estabelece regras. Jerónimo muda de discurso e já não quer casamentos. À direita, Rio diz que ganhou porque não teve a derrota que todos queriam. Cristas reconheceu num instante a estrondosa derrota e anunciou a saída da liderança. O PAN cresceu e André Silva diz ter provado que não é o partido da moda. Mas a grande novidade da noite eleitoral é um Parlamento mais colorido, com três estreias, incluindo a da extrema-direita. Chega, Iniciativa Liberal e Livre juntam-se aos sete partidos que já tinham assento e fazem deste Parlamento o mais diverso de sempre.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.