|
A+ / A-
Caso Tancos

Carlos César acusa Rui Rio de caluniar quem não é suspeito

28 set, 2019 - 20:48 • Susana Madureira Martins

O líder do PSD "sentencia quem nem sequer foi julgado e calunia quem não é suspeito nem acusado”, afirma o presidente do PS, numa reação ao caso de Tancos.

A+ / A-
Carlos César acusa Rui Rio de caluniar quem não é suspeito - Reportagem de Susana Madureira Martins
Carlos César acusa Rui Rio de caluniar quem não é suspeito - Reportagem de Susana Madureira Martins

Carlos César acusa Rui Rio de querer tornar o Parlamento num tribunal. O presidente do PS falava este sábado à noite num comício ao ar livre, em Guimarães, e não evitou falar do processo de Tancos para criticar o líder do PSD que acusa de caluniar o primeiro-ministro.

Rui Rio "diz num dia que não faz julgamentos na praça pública, mas em outros dias, como no caso de Tancos, pretende transformar a Comissão Permanente da Assembleia da República num tribunal", acusa Carlos César.

O líder do PSD, prosseguiu Carlos César, "sentencia quem nem sequer foi julgado e calunia quem não é suspeito nem acusado”.

“E era uma pessoa assim que queria ser primeiro-ministro de Portugal", declarou Carlos César.

O presidente do PS defende ainda que no PSD “a desorientação é muito grande” e que o partido de Rui Rio não se conforma com os bons resultados da governação.

“O PSD nestas eleições já percebeu que não vai contar com o apoio que julgava que os portugueses lhe podiam dar. Ainda por cima, o PSD recebe más notícias. O desemprego desce, a economia cresce, o prestígio de Portugal no exterior depende do PS e do nosso primeiro-ministro, António Costa. O PSD não se conforma com tudo isso.”

Carlos César foi muito direto no pedido ao eleitorado socialista e não socialista para que dê uma maioria de valor reforçado ao partido nas legislativas.

A obra socialista ser julgada a 6 de outubro, conclui César, que diz ter a certeza que o eleitorado dará a vitória ao PS, indo assim bastante mais longe que António Costa, que tem pedido cautela aos socialistas para que não se fiem nas sondagens.

O caso Tancos está a dominar a campanha. A líder do CDS anunciou este sábado que vai pedir uma nova comissão parlamentar de inquérito, depois de ser conhecido o despacho de acusação. Assunção Cristas quer que as declarações de António Costa e do ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes sejam investigadas pelo Ministério Público.

O líder do PSD, Rui Rio, considera ser "pouco crível" que o primeiro-ministro, António Costa, não estivesse ao corrente da alegada manobra de encobrimento, tendo em conta que o ex-ministro Azeredo Lopes é arguido no caso.

"Aquilo que nós começámos tem que ter continuidade”

Depois de um dia em que desconvocou arruadas devido a dores nas costas, na sua intervenção, em Guimarães, o líder socialista apelou aos portugueses para que "pensem bem se vale a pena por em risco" os resultados positivos alcançados no país após quatro anos de governação socialista.

"Pensem bem no que se passou nestes quatro anos. Pensem bem que cumprimos aquilo que poucos acreditavam ser possível. Pensem bem se vale a pena por em risco aquilo que já foi alcançado", declarou António Costa, pedindo continuidade e estabilidade política para prosseguir a trajetória da legislatura que agora termina.

O secretário-geral do PS lembrou que há ainda uma semana "para que todos se convençam, todos tenham a certeza, todos tenham a convicção que vale a pena votar no PS para garantir mais quatro anos das boas políticas que têm permitido estes bons resultados".

"Aquilo que nós começámos tem que ter continuidade. Aquilo que nós conseguimos não pode ser posto em causa. Aquilo que nós avançámos não pode agora andar para trás", argumentou, frisando que, para isso "é fundamental" que no próximo dia 6 o PS "tenha uma grande vitória que dê força ao PS para garantir mais quatro anos de estabilidade política" em Portugal.

António Costa pautou o discurso com diversos enganos, que provocaram gargalhadas na plateia que assistiu ao comício ao ar livre.

O primeiro tropeção do líder socialista foi logo nos cumprimentos, em que trocou Bragança por Guimarães, o que levou mesmo António Costa a levar as mãos à cabeça.

Mais à frente à moda de Guterres tropeçou em números: “Aquilo que nos permitiu sair do procedimento por défice excessivo, requalificar a nossa dívida e ter hoje uma taxa de juro que permite aqui ao Domingos Bragança contrair empréstimos a uma taxa de 0,50% ou 0,55% é o facto de termos um Governo responsável que soube ter o défice mais baixo da nossa democracia sem ter de fazer um aumento de impostos ou de cortar salários.”

[notícia atualizada às 02h27]

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • nomadewolf
    01 out, 2019 Braga 19:06
    A Esquerda a deturpar os factos e as palavras, como de costume, a tentar atirar areia para os olhos do Povo... Mas o Povo está farto destas políticas de esquerda que só aumentam os impostos e a desigualdade, com total desrespeito pela justiça. Costa na rua já!
  • João Lopes
    29 set, 2019 08:03
    Agostinho de Hipona (354-430) disse que: «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões». Apesar de tudo, parece que ainda temos boas razões para confiar na Justiça Portuguesa… Mas teremos mesmo?
  • João Lopes
    28 set, 2019 22:11
    Agostinho de Hipona (354-430) disse que: «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões». Apesar de tudo, parece que ainda temos boas razões para confiar na Justiça Portuguesa… Mas teremos mesmo?