A+ / A-
Benfica

Hassan Nader: "Taarabt deixou de lutar com Taarabt"

11 set, 2019 - 12:50 • João Fonseca

Capitão da seleção marroquina, após ter recuperado a confiança do selecionador e depois de uma exibição elogiada por todos na vitória contra o Níger. Adel Taarabt voltou a jogar pela seleção, mais de cinco anos depois.
A+ / A-

A aposta de Bruno Lage na recuperação de Adel Taarabt devolveu o marroquino à seleção do seu país, até porque o jogador do Benfica "deixou de lutar" contra si próprio. A presença do médio nos encontros contra o Burkina Faso e o Níger revelaram "um jogador contente", diferente e que voltou a "ser patrão" com a bola nos pés e a fazer "passes decisivos".

O compatriota Hassan Nader, antigo avançado de Farense e Benfica, acompanhou as prestações "positivas" do benfiquista e em declarações a Bola Branca, falou de um novo Taarabt, que "perdeu muito tempo" e nesta fase necessita de "ajuda e que se lhe estenda a mão".

"Era o Taarabt contra ele próprio. Voltou e merece, até porque não podemos 'dar cabo' de um jogador que está com muita vontade. Temos de o ajudar, e ele já reconheceu isso. Vê-se que está contente com a ida à seleção. Perdeu muito tempo por culpa dele próprio e está com vontade de dar mais três ou quatro anos à seleção e ao Benfica", disse.

Após três anos de ausência da seleção, e mais de cinco desde a última internacionalização, o bósnio Vahid Halilhodzic chamou o benfiquista e na segunda partida, com vitória sobre o Níger, Taarabt foi titular e capitão, porque fez por "merecer a confiança do selecionador".

Adel Taarabt chegou ao Benfica em 2015, mas apenas se estreou na equipa principal na última temporada, quando Bruno Lage subiu à equipa A. As boas exibições valeram a renovação de contrato até 2022.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.