|
A+ / A-

Motorista admite. "O ideal era haver acordo e a greve terminar rapidamente"

13 ago, 2019 - 15:41 • André Rodrigues , Marta Grosso

Em declarações à Renascença, Manuel Mendes critica a carga horária e outros excessos impostos pelos patrões, mas admite que a greve tem custos.

A+ / A-

Veja também:


“Não podemos ser escravos dos nossos patrões nem dos nossos trabalhos”, defende o delegado sindical e motorista de matérias perigosas Manuel Mendes.

Ouvido pela Renascença, este representante sindical que por estes dias tem estado junto à refinaria de Leça da Palmeira, admite que gostaria que a greve terminasse o quanto antes.

“Temos mantido sempre os serviços mínimos, o que não quer dizer que não venhamos a alterar o sistema. Mas a alteração ideal seria terminar a greve quando houver um acordo. E espero que isto rapidamente termine”, confessa.

“Já passei aqui duas noites, vou passar a terceira e não queria continuar. Isto tem custos e eu não queria continuar, porque a greve não está a corresponder às nossas expectativas. A ANTRAM e as empresas não estão a cumprir”, avança ainda.

Manuel Mendes está a coordenar o piquete de greve junto àquela refinaria do Norte. À Renascença, dá um exemplo de abuso por parte dos patrões.

“Temos um motorista que ia fazer um serviço à Covilhã. Ele está de greve e perguntou-me se deveria fazer o serviço e, ao fim do horário, encostava o camião e regressava só amanhã. E eu recomendei-lhe que fizesse a carga toda, embora se tratasse de um serviço para 11 horas. Não estou contra isso. Agora, quem faz uma carga que completa o horário e, logo depois, vai seguir com outra carga para mais quatro horas de trabalho... Acha isso correto?”, questiona.

“No entanto, se isso estiver incluído nos serviços mínimos, e for realmente obrigatório, teríamos de cumprir. Mas, depois, face a uma pressão deste género, muitos motoristas poderiam ficar doentes”, destaca.

Prisão, perda do emprego e pagamento de indemnização são algumas das consequências a que os motoristas que não cumprirem a requisição civil se sujeitam, de acordo com o especialista em Direito do Trabalho Luís Gonçalves da Silva.

Em entrevista à Renascença, o Governo até poderia ter ido mais longe nas medidas adotadas para conter os efeitos da greve dos motoristas de matérias perigosas e lembra que, se houver sanções, os principais prejudicados serão os camionistas e não o advogado do sindicato, Pedro Pardal Henriques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • luis
    13 ago, 2019 Guimaraes 22:26
    Que haja acordo e que a greve termine rapidamente é o que todos desejam. Não será segredo que o motorista tenha que admitir.