A+ / A-

Greve dos motoristas. Se houver sanções, "não é o porta-voz do sindicato que vai sofrer"

13 ago, 2019 - 14:57 • André Rodrigues

Prisão, perda do emprego e pagamento de indemnização são algumas das consequências que os motoristas que não cumprirem a requisição civil podem sofrer.

A+ / A-

Veja também:


O Governo poderia, e deveria, ter ido mais longe nas medidas adotadas para conter os efeitos da greve dos motoristas, defende Luís Gonçalves da Silva, especialista em Direito do Trabalho.

Em entrevista à Renascença, o jurista entende que, caso seja necessário, os camionistas têm de trabalhar mais do que as oito horas diárias. E avisa: se a requisição civil não for cumprida, os camionistas “poderão perder os seus postos de trabalho”.

“Estamos perante incumprimentos com relevância criminal, civil e disciplinar”, destaca.

Leia a entrevista na íntegra:

Pedro Pardal Henriques diz que, mesmo sob requisição civil, os motoristas só estão obrigados a trabalhar oito horas por dia. Tem razão?

O que esta requisição civil é a manutenção do regime laboral aplicável. Acontece, no entanto, que esse regime prevê uma situação de adaptabilidade que permite que se trabalhe de oito horas por dia. Ao manter esse regime aplicável, a questão estará, aparentemente, resolvida.

Ou seja, os motoristas não estarão dispensados do trabalho, mesmo que não completem o transporte, a carga e a descarga de mercadorias em oito horas. Se ocorrerem situações dessas, estaremos perante uma violação da requisição civil?

De acordo com o quadro que é possível identificar, eu diria que sim. De qualquer maneira, julgo que este é um momento pouco adequado para experimentalismos jurídicos, porque, em última instância, quem vai sofrer todas as sanções não é o porta-voz do sindicato, são os trabalhadores. Porque estamos perante incumprimentos com relevância criminal, civil e disciplinar. Ou seja, poderão também perder os seus postos de trabalho.

Mesmo sendo a requisição civil um instrumento em que o Estado se substitui ao empregador privado?

Exatamente. É possível que o Estado, através dos empregadores, aja nas três vertentes.

E é sob essa perspetiva que, caso o trabalhador não cumpra, o empregador procede ao despedimento...

Embora o faça, por delegação de competências, em nome do Estado. As três responsabilidades são suscetíveis de ser imputadas ao trabalhador com eventual pena de prisão, perda do seu emprego e pagamento de uma indemnização.

Como avalia a portaria que complementa esta requisição civil?

Vejo que haveria inegáveis vantagens se remetesse para a lei geral em funções públicas, em vez de remeter para o regime do setor privado. Por outro lado, julgo que a portaria se justificaria relativamente a todo o território.

O Governo poderia ter ido mais longe?

Não só poderia, como deveria. Era possível, e desejável, que se pusesse cobro a um conjunto de problemas já existentes e a um conjunto de problemas potencialmente graves que, previsivelmente, se vão colocar nas próximas horas.

Mas, no limite, não estaríamos perante uma violação do direito à greve?

Não creio. Convém recordar que a própria Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu a possibilidade de o Governo poder recorrer à requisição civil preventiva. O Governo tem optado pela requisição civil reativa. Espero, sinceramente, que seja suficiente. Embora os dados que têm vindo a público indiciem que não deverão ser, quer pela enorme litigiosidade latente, quer pelos efeitos danosos para a comunidade.


Esta terça-feira é o segundo dia de greve, já com requisição civil em vigor. O Sindicato de Motoristas de Matérias Perigosas garante que os trabalhadores vão cumprir o decretado, mas só com as oito horas de serviço, o que, de acordo com este especialista em Direito do Trabalho, poderá colocar em risco postos de trabalho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Albert da Silva
    13 ago, 2019 Viseu 17:53
    A RR virou a um ninho de comunistas estalinistas. Títulos de noticias sempre faciosos e nada imparciais. Os escravos até de prisão são ameaçados... Só falta vir o chicote e começarem a cair que nem soviets nos gulags... Até quando satanás vai continuar a usurpar o poder em Portugal?? Parece que muita gente está a gostar e por isso irá presentear os salteadores quiçá com poder absoluto na próxima legislatura. O mais impressionante é os lacaios do CDS estarem a cair na armadilha que nem "ratinhos". O CDS irá sair da cena politica nas próximas eleições. A ganância de querem estar ao lado dos xuxalistas trotskistas vai remete-los para a insignificância parlamentar. Só há direito à greve para a função pública. Para essa cambada de parasitas cujo maior esforço que fazem num dia de trabalho é tirar a mão do bolso e colocar o dedo indicador para picar o ponto. Há direito de greve para eles porque o PS conta com eles nas eleições. O Portuga é um gajo BURRO! CHEGA DE FANFARRÕES E PANTOMINEIROS!
  • Filipe Azedo
    13 ago, 2019 cascais 15:34
    Mas há alguém que seja obrigado a trabalhar mais de 8 horas ??