Tempo
|
A+ / A-

​Despedimentos na Ryanair? Sindicato fala em “manobra” para evitar greves

01 ago, 2019 - 00:06 • Marisa Gonçalves

Em declarações à Renascença, o sindicalista Bruno Fialho aponta o dedo ao Governo dizendo que tem dececionado os trabalhadores da Ryanair ao não obrigar a empresa a cumprir a lei portuguesa.

A+ / A-

Veja também:


O anúncio de despedimentos na Ryanair é uma manobra para evitar greves, diz à Renascença o vice-presidente Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), Bruno Fialho.

O sindicalista fala em contradições nas comunicações feitas pela administração da companhia aérea irlandesa, que num dia diz que há indicadores de crescimento e no outro anuncia despedimentos.

"Temos aqui um caso de bipolaridade em que o presidente executivo, Michel O'Leary diz que a Ryanair vai proceder a despedimentos quando, no dia anterior, o diretor financeiro disse que a companhia está a crescer e está muito bem”, afirma Bruno Fialho.

Os tripulantes da empresa prometem uma greve em agosto, pelo menos durante cinco dias, alegando o não cumprimento do protocolo celebrado com o sindicato, que estabeleceu a obrigatoriedade da implementação da legislação laboral portuguesa até fevereiro de 2019.

Bruno Fialho aponta o dedo ao Governo dizendo que tem dececionado os trabalhadores da Ryanair ao não obrigar a empresa a cumprir a lei portuguesa. Diz, por isso, que não resta outra alternativa que não seja o recurso à greve.

"Nos próximos dias iremos emitir um pré-aviso de greve para o mês de agosto. Estamos apenas a avaliar os dias que menos prejudiquem os emigrantes e a diáspora portuguesa, nesta época de férias".

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, avisou esta quarta-feira os trabalhadores, através de uma mensagem vídeo, que a empresa tem 1.500 trabalhadores considerados excedentários e que são esperados despedimentos nas próximas semanas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+