Tempo
|
A+ / A-

Despedimentos

Ryanair tem 1.500 funcionários a mais. Algumas saídas são “inevitáveis”

31 jul, 2019 - 20:49 • João Pedro Barros com agências

Cortes devem ser efetuados no final dos meses de setembro e dezembro. Há menos de dois anos, a empresa teve de cancelar centenas de voos, sendo uma das razões a falta de pilotos.

A+ / A-

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, avisou os trabalhadores, através de uma mensagem vídeo, que a empresa tem 1.500 trabalhadores considerados excedentários e que são esperados despedimentos nas próximas semanas.

A estimativa do líder da empresa de aviação de baixo custo aponta para que sejam dispensados 500 pilotos, 400 hospedeiras e ainda 600 comissários de bordo. Os cortes são “inevitáveis" e deverão ser efetuados no final de setembro e de dezembro, depois do Natal.

A Ryanair tem cerca de 17.500 funcionários, pelo que este plano de despedimentos pré-anunciado poderá atingir 8,6% da força de trabalho.Os lucros da empresa diminuíram 21% no trimestre compreendido entre abril e junho, para 243 milhões de euros.

A operadora aérea irlandesa explicou que as causas para essa queda foram uma diminuição do número de passageiros nos mercados da Alemanha e do Reino Unido, em parte devido ao Brexit. O aumento dos custos com combustível e trabalhadores também influenciaram os resultados. O atraso na entrega de novos Boeing 737 MAX, devido à queda de dois aviões e a problemas técnicos, afetaram os planos de expansão de rotas.

"Faremos o nosso melhor para manter o maior número possível de postos de trabalho, mas temos de reagir agora e de responder rapidamente ao atraso na entrega dos aviões MAX e à ameaça de um Brexit sem acordo no fim de outubro”, declara o patrão da Ryanair no vídeo.

Estes despedimentos surgem menos de dois anos depois da maior companhia europeia de baixo custo ter cancelado centenas de voos, em parte devido à falta de pilotos. Os pilotos da empresa no Reino Unido e na irlanda ameaçam com uma greve, avança a Reuters, que acrescenta ainda denúncias de alegadas tentativas de O'Leary para influenciar o voto a favor de uma paralisação.

Em Portugal, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil anunciou uma greve na companhia Ryanair de pelo menos cinco dias em agosto, ainda sem dias definidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+