A+ / A-

“Não apertei cerco nenhum" ao gasóleo, diz ministro do Ambiente

06 fev, 2019 - 01:16 • Redação

À Renascença, João Pedro Matos Fernandes responde aos críticos e insiste que se limitou a avisar que, gradualmente, os veículos a combustão vão perder espaço.

A+ / A-

Veja também:


O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, garante que as suas declarações sobre a perda de valor dos carros a gasóleo, a prazo, não pretenderam apertar o cerco ao diesel, por decreto.

À Renascença, o governante insiste que se limitou a avisar que, gradualmente, os veículos a combustão vão perder espaço.

“Não apertei cerco nenhum. Vamos lá a ver. Em 2030, um terço da mobilidade de passageiros terrestre vai ser elétrica. Significa que, com o tempo, paulatinamente, mas num paulatinamente que queremos que seja exigente, com metas claras, os veículos a combustão vão perder espaço”, argumenta.

O ministro esclarece as declarações do final do mês passado, que foram recebidas com críticas por parte do setor automóvel. Na altura, Matos Fernandes lançou o debate de forma incisiva: “Hoje é muito evidente que quem comprar um carro [de motor] diesel, muito provavelmente, daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca”.

Noutro plano, o ministro do Ambiente reage com satisfação à notícia de que Portugal vai ser este ano distinguido com o troféu das energias renováveis.

“Eu encaro este prémio com uma enorme satisfação. Portugal, ao receber este prémio, é-lhe tributado, não só um passado onde desde 2005 nós já reduzimos emissões que provocam efeito de estufa em 22%, onde 54% da eletricidade que consumimos já provêm de fontes renováveis, como é no nosso compromisso para o futuro, onde em 2030 80% da energia elétrica que vamos consumir será proveniente de energias renováveis”, sublinha Matos Fernandes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.