RR
|
A+ / A-

Portugal pediu esclarecimentos a Espanha sobre armazém de Almaraz

30 dez, 2016 - 13:48

Em causa está a construção de armazéns de resíduos nucleares na central espanhola. O Governo vai também apresentar queixa na Comissão Europeia.

A+ / A-
Almaraz provoca incidente diplomático. Portugal faz queixa de Espanha em Bruxelas
Almaraz provoca incidente diplomático. Portugal faz queixa de Espanha em Bruxelas

Veja também:


Portugal manifestou a Espanha a sua surpresa perante a decisão de autorizar o armazém para resíduos nucleares em Almaraz, a 100 quilómetros da fronteira, pediu esclarecimentos e chamou o Encarregado de Negócios da Embaixada de Espanha em Lisboa ao Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).

Ao ser conhecida a publicação da Resolução do Ministério de Energia, Turismo e Agenda Digital de Espanha a avançar aquela decisão, "o Encarregado de Negócios da Embaixada de Espanha em Lisboa foi de imediato chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros", segundo este ministério.

Também na tarde de quinta-feira o embaixador de Portugal em Madrid efectuou uma diligência junto do Ministério dos Assuntos Exteriores e Cooperação de Espanha, avança esta sexta-feira o MNE, em resposta a questões da agência Lusa.

O Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, localizada a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa, através de uma resolução da Direcção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia.

Nos contactos diplomáticos em Lisboa e em Madrid, "foi manifestada a surpresa do Governo português ante a decisão tomada", refere o MNE e acrescenta que "foram solicitados esclarecimentos às autoridades espanholas, tendo em conta a carta dirigida pelo senhor ministro do Ambiente à sua homóloga espanhola no início de Dezembro".

Nesta carta, o Governo comunicava não terem sido avaliados os impactos transfronteiriços da construção do armazém, conforme previsto pela legislação comunitária sobre a matéria.

Governo lembra princípio da lealdade

Na quinta-feira, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, transmitiu à Lusa a sua surpresa com esta decisão de Espanha.

"Temos três princípios muito claros, o primeiro é o da legalidade e ela não foi cumprida", afirmou, referindo-se à directiva comunitária a exigir a existência de uma avaliação de impactos ambientais transfronteiriços.

"Não deixaremos em situação alguma de recorrer à Comissão Europeia que é quem tem a responsabilidade máxima pelo cumprimento dessas directivas para deixar claro que isso não foi cumprido", voltou a referir o ministro do Ambiente.

“O princípio da legalidade não foi cumprido", defendeu o ministro do Ambiente.

João Matos Fernandes recordou que a 1 de Dezembro foi enviada uma carta à ministra espanhola que tutela o Ambiente para a apreciação da informação enviada a Portugal que, "não sendo completa, deixa claro que não foram avaliados os impactos transfronteiriços".

O ministro disponibilizava-se para que uma reunião se realizasse rapidamente, tendo ficada agendada para 12 de Janeiro, e solicitava que "não houvesse uma decisão formal sobre a possibilidade de construção do aterro para resíduos nucleares".

A construção de um armazém para resíduos nucleares pode indiciar que a central de Almaraz vai prolongar a sua actividade, apesar dos problemas que tem tido nos últimos tempos.

Esta possibilidade tem levado a vários alertas de organizações ambientalistas portuguesas e espanholas, mas também das populações e de alguns partidos que na Assembleia da República têm questionado o Governo sobre o assunto.

Nuno Sequeira, da Quercus, considera que “o que poderá estar em causa é uma tentativa do Governo espanhol estar a preparar, de algum modo, o alargamento do período de vida desta central nuclear”.

Central nuclear de Almaraz: uma "bomba atómica" na margem do Tejo
Central nuclear de Almaraz: uma "bomba atómica" na margem do Tejo
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • r
    30 dez, 2016 l 14:27
    porreiro. vamos para a guerra. vou já buscar a minha forquilha e vou invadir castela. eles vão ver quem somos.