Central nuclear de Almaraz: uma "bomba atómica" na margem do Tejo

25 abr, 2016 - 20:26 • Dina Soares , Joana Bourgard , Rodrigo Machado (infografia)

É uma bomba nuclear camuflada nas margens do Tejo. A central nuclear de Almaraz, a mais antiga de Espanha ainda em laboração, devia ter fechado em 2010. O governo espanhol prolongou-lhe a vida até 2020 mas as empresas accionistas pretendem que a licença seja renovada por mais 10 anos. Nos dois lados da fronteira são cada vez mais as vozes que denunciam os riscos associados a uma central fora de prazo e que já sofreu mais de 2500 avarias. Só este ano, já teve que parar duas vezes devido a problemas técnicos que nunca ficaram totalmente esclarecidos. Portugal está na linha da frente, em caso de acidente, mas o governo português pouca informação parece ter sobre o que se passa aqui ao lado. 30 anos depois do acidente de Chernobyl, a Renascença visitou a central nuclear de Almaraz, onde se faz o discurso da transparência mas muitas perguntas ficam sem resposta e, embora não haja “nada a esconder”, nada é mostrado.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor. Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Reportagem - Segundo Torrão, o maior bairro de lata de Almada - 25/03/2019

Reportagem

Segundo Torrão. Viagem ao maior bairro de lata de Almada

Em Almada, há mais famílias a viver em bairros ilegais do que nos anos 90. O maior chama-se Segundo Torrão e serve de casa a 2500 pessoas.

Mães ocupas por necessidade

Edição da Noite

Mães ocupas

Na Edição da Noite desta quinta-feira, 29 de novembro de 2018: uma grande reportagem sobre mães solteiras em dificuldades que ocupam casas da Câmara de Lisboa financeira; uma entrevista ao vice-presidente do PSD, Carlos Carreiras; uma entrevista ao bispo de São Tomé, D. Manuel dos Santos, sobre a instabilidade política no país.

Reportagem de Alfama para Cacilhas - Paulo - Foto: Joana Bourgard/RR

À margem de Lisboa. Como Alfama se está a mudar para Cacilhas

São praticamente vizinhanças inteiras que têm de atravessar o Tejo para encontrar uma casa que podem pagar. Apontam culpas ao turismo, que descaracteriza e encarece o seu bairro, Alfama. Regressar, garantem, “é impensável”. “Nem casas há!”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Andrade
    01 mai, 2016 Braga 22:44
    Se Almarz rebenta, Portugal sofre mais do que Espanha. Tendo em conta os riscos que corremos, o mínimo que se poderia esperar era algum benefício económico e/ou científico para Portugal, por exemplo, gestão conjunta da central. Todos os governos portugueses têm sido irresponsáveis nesta matéria.
  • A ME DA
    27 abr, 2016 LISBOA 12:56
    DE ESPANHA NEM BOM VENTO NEM BOM CASAMENTO . A IGNORÂNCIA EM ABSOLUTO.