O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Central nuclear de Almaraz: uma "bomba atómica" na margem do Tejo

25 abr, 2016 - 20:26 • Dina Soares , Joana Bourgard , Rodrigo Machado (infografia)

É uma bomba nuclear camuflada nas margens do Tejo. A central nuclear de Almaraz, a mais antiga de Espanha ainda em laboração, devia ter fechado em 2010. O governo espanhol prolongou-lhe a vida até 2020 mas as empresas accionistas pretendem que a licença seja renovada por mais 10 anos. Nos dois lados da fronteira são cada vez mais as vozes que denunciam os riscos associados a uma central fora de prazo e que já sofreu mais de 2500 avarias. Só este ano, já teve que parar duas vezes devido a problemas técnicos que nunca ficaram totalmente esclarecidos. Portugal está na linha da frente, em caso de acidente, mas o governo português pouca informação parece ter sobre o que se passa aqui ao lado. 30 anos depois do acidente de Chernobyl, a Renascença visitou a central nuclear de Almaraz, onde se faz o discurso da transparência mas muitas perguntas ficam sem resposta e, embora não haja “nada a esconder”, nada é mostrado.
Reportagem
ponte eiffel abandonada
Reportagem Multimédia

A surreal história de uma Ponte Eiffel

Está na natureza das pontes ficarem sempre no mesmo lugar. Não foi o que aconteceu com uma das pontes de comboio que Gustave Eiffel deixou em Portugal. Está há anos guardada numa fábrica de candeeiros da Póvoa de Lanhoso.

Capa Encalhados na Turquia
Reportagem multimédia

Encalhados na Turquia

Rateb só quer abraçar a família, que vive em Lisboa. Ghossoun foi da Arábia Saudita à Síria depois de ver imagens de crianças mortas pelo regime. O enfermeiro Alaa resgatava civis na Síria até ficar gravemente ferido. A Turquia abriga mais de 4 milhões de refugiados. Alguns ainda sonham com a Europa, que paga para que fiquem onde estão. São tratados como “convidados”, mas quanto tempo pode alguém viver na casa dos outros?

Acidentes com tratores. Morte no Campo (imagem sem título)
Reportagem multimédia

Acidentes com tratores. Morte no campo

Nos últimos cinco anos, morreram em média cinco agricultores por mês em acidentes com tratores. Um arco podia salvar vidas, mas muitas vezes não existe. O problema está identificado há décadas, mas as soluções políticas não avançam. Uma tragédia sem fim à vista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Andrade
    01 mai, 2016 Braga 22:44
    Se Almarz rebenta, Portugal sofre mais do que Espanha. Tendo em conta os riscos que corremos, o mínimo que se poderia esperar era algum benefício económico e/ou científico para Portugal, por exemplo, gestão conjunta da central. Todos os governos portugueses têm sido irresponsáveis nesta matéria.
  • A ME DA
    27 abr, 2016 LISBOA 12:56
    DE ESPANHA NEM BOM VENTO NEM BOM CASAMENTO . A IGNORÂNCIA EM ABSOLUTO.