O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Virgílio começou a gravar o Douro em 2010. E descobriu uma orquestra

28 jul, 2017 - 06:37 • Inês Rocha

Já passaram cerca de sete anos desde que Virgílio Oliveira começou a gravar sons do Rio Douro. Mas o artista sonoro português diz que encontrou nas paisagens sonoras deste rio ibérico uma autêntica "orquestra" que não se cansa de ouvir. Os sons que recolheu para montar um mapa sonoro do rio já mereceram um prémio internacional e exibições em vários países, em instalações artísticas e transmissões radiofónicas. Estão também disponíveis em quatro álbuns, lançados pela Green Field Recordings, uma editora portuguesa especializada em gravações de campo.
reportagem
Por dentro de uma inspecção da ASAE

O lado invisível dos restaurantes

Webdocumentários
Fátima na Bielorrússia

Uma chama que a URSS não apagou

100 anos de Fátima

Os mistérios da fé

Grandes reportagens mulitmédia
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.