O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

O homem que sonhou a rádio

10 fev, 2017 - 14:45 • Maria João Cunha Maria João Cunha, com Catarina Santos, Dina Soares e Joana Beleza. Arquivo RR e RTP

Estávamos nos anos 30, viviam-se os dias da rádio. Um padre, também jornalista, de Póvoa do Varzim decidiu pôr em prática uma ideia, lançada na revista ilustrada "Renascença". Angariou fundos, projectou uma rádio profissional de sentido católico e fez acontecer. Enquanto dirigiu a Renascença, oficializada em 1937, o sonho cresceu, estendeu-se ao Porto e, já nos anos 60, ao resto do país. Monsenhor Lopes da Cruz só não chegou a ver a rádio "ficar" multimédia, mas já na altura o imaginava. Reportagem publicada pela primeira vez no dia 8 de Abril de 2012.
Webdocumentários
Fátima na Bielorrússia

Uma chama que a URSS não apagou

100 anos de Fátima

Os mistérios da fé

Grandes reportagens multimédia
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.