O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Pedrógão Grande. Passos diz que há pelo menos um caso de suicídio. E desmente de seguida

26 jun, 2017 - 14:12 • Henrique Cunha Imagem: PSD

Presidente do PSD falou de caso de suposto suicídio por falta de apoio psicológico sem confirmar a informação. Provedor da Santa Casa de Pedrógão assume ter sido ele a induzir Passos em erro.
A+ / A-
Suicídio em Pedrógão Grande? Passos desmente Passos

Veja também:


O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou esta segunda-feira ter conhecimento de casos de pessoas que “puseram termo à vida” por falta de apoio psicológico na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande. Porém, pouco depois, nas mesmas declarações aos jornalistas, disse que falou sem confirmar.

Em Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, Pedro Passos Coelho disse não ser necessário aguardar por estudos para garantir que o Estado falhou.

“Não precisamos de aguardar por nenhum estudo, para se perceber que o Estado falhou. E eu quero acrescentar que ainda está a falhar. Dez dias depois ainda está a falhar, porque como digo: eu tenho conhecimento já de vítimas indirectas deste processo, pessoas que puseram termo à vida, pessoas que em desespero se suicidaram e que não receberam em tempo o apoio psicológico que deveria ter existido”, afirmou.

O líder do PSD afirmou ter conhecimento de pelo menos um suicídio, ocorrido na região, praticado por um familiar de pessoas que morreram no incêndio que deflagrou na semana passada em Pedrógão Grande.

Convidado por um jornalista a especificar sobre que caso ou casos estava a falar, Passos é informado de que não há confirmação. "Não há confirmação?”, questionou. E prosseguiu: “Há pouco deram-nos essa notícia como uma notícia particular, de pessoa até de família. Como deve calcular, não tive muitas dúvidas nessa indicação.”

Noutro momento destas declarações, Passos afirmou: "Há pessoas que estão internadas em consequência de tentativas de suicídio e que até hoje não tiveram o apoio que era devido.”

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pedrógão Grande, João Marques, assumiu que foi ele que induziu Passos Coelho em erro.

“A culpa foi minha”, afirma à Renascença. “O que aconteceu foi simples: correu a informação de que uma pessoa de Vila Facaia que teria perdido a família se teria suicidado. Eu tomei a informação como fidedigna da parte da manhã porque foi transmitida na terra onde a pessoa estava a passar o fim-de-semana com pessoas da aldeia onde ele morava. Entretanto, estive com o doutor Passos Coelho e transmiti-lhe essa informação como verdadeira. Portanto, induzi-o em erro, sem querer obviamente, mas o que é certo é que o induzi em erro, pensando que a informação que me tinham dado era absolutamente verdadeira.”

ARS e autarca negam

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, independente eleito pelo PSD, diz desconhecer a existência de qualquer caso do género: “Aqui no gabinete de crise (…) não há conhecimento nenhum de suicídios. Há sim é boatos, os mais diversos boatos. E peço às pessoas que não aceitem e corram com os boateiros porque efectivamente graças a Deus não há confirmação nenhuma de suicido”, afirmou à RTP.

O presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) diz que não há, até hoje, "nenhum caso de suicídio com ligação" directa à zona afectada pelo incêndio que começou em Pedrógão Grande.

"Não há, até hoje, nenhum caso de suicídio com ligação a essa zona", disse à agência Lusa o presidente da ARSC, José Tereso, reagindo às declarações do presidente do PSD.

“[Neste momento] não confirmo nenhum caso de suicídio" com ligação directa à zona afectada, reforçou José Tereso.

Costa pede "prudência"

Esta segunda-feira, António Costa afirmou: "Todos se recordam como na semana passada até chegou a ser identificada a nacionalidade de um piloto que teria falecido na queda de um avião, tendo-se depois verificado que, não só nenhum avião caiu, como nenhum piloto faleceu, felizmente. Devemos ser todos muito prudentes nas afirmações que produzimos".

O primeiro-ministro afirmou que vai falar apenas "em função dos dados oficiais que obtiver e não com base em rumores, em notícias avulsas ou com base no diz que disse".

"Temos de falar com muita seriedade, porque estamos a falar da maior tragédia humana que o país alguma vez viveu. Isso exige a todos muita prudência e muita responsabilidade", insistiu o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro defende que as prioridades absolutas são a reconstrução do território atingido e a normalização da vida social, a par do esclarecimento cabal das causas da tragédia.

Indemnizar as famílias

Pedro Passos Coelho exigiu ainda do Governo a aprovação de medidas que visem indemnizar as famílias das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande que morreram ou ficaram feridas em espaços públicos.

“O Estado não tomou ainda essa iniciativa”, disse Passos Coelho.

O líder social-democrata realçou a necessidade de o Governo avançar com “um mecanismo relativamente às vítimas à guarda do Estado”, que morreram em “vias públicas”, sobretudo na estrada nacional 236-1, no dia 17 de Junho, onde 47 pessoas perderam vida.

Na sua opinião, poderá o executivo de António Costa aprovar um conjunto de medidas urgentes, tal como aconteceu em 2001, da parte do Governo de António Guterres, na sequência da queda da ponte de Entre-os-Rios, sobre o rio Douro, em que morreram mais de 50 pessoas.

Passos Coelho admitiu que, desta vez, seja “um mecanismo mais robusto”, através de um decreto-lei, e sublinhou que “o Estado falhou” na sua obrigação de “garantir a segurança e a vida” dos cidadãos.

“O Estado falhou e ainda está a falhar”, frisou, ao anunciar que, caso o Governo não aprove as referidas medidas, o PSD “não deixará de as recomendar” na Assembleia da República ou de tomar uma “iniciativa legislativa” com esse objectivo.

Cabe ao executivo “evitar que as famílias das vítimas tenham de demandar o Estado em tribunal” a fim de serem indemnizadas.

[Notícia actualizada às 19h05]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Para o Pedro Godinho
    27 jun, 2017 Coimbra 19:16
    E mesmo que fosse verdade!!! Tenhamos decoro! Estava ele lá importado com as vitimas desta tragédia! Quis foi aproveitar uma suposta desgraça adicional para colher dividendos políticos. Este gajo sempre demonstrou desprezo pelo povo! Foi de oportunismo politico barato o que tentou fazer. Saiu-lhe o tiro pela culatra! Este é outro como o Sócrates, desonesto e farsola!
  • À Ângela cristina
    27 jun, 2017 Lis 09:35
    Claro! Foi o que fez o sr. Passos Coelho que passou todos os dias da desgraça a ajudar presencialmente as populações atingidas! Cara senhora, o seu comentario clubista é ridiculo e despreza todos aqueles que incansavelmente deram e continuam a dar o seu melhor no apoio às vitimas!
  • Este traste
    27 jun, 2017 Lx 09:18
    É um nojo de homenzinho! É tão pequeno de sentimentos com terceiros como o é de incapaz politico! Não passa de um politiqueiro mentiroso compulsivo na sua máxima dimensão! Cinico e oportunista sem escrúpulos, saiu-lhe o tiro pela culatra e aqueles que ainda o promovem e apoiam se o continuarem a fazer serão da mesma estirpe deste homenzinho viralmente perigoso!
  • peres
    26 jun, 2017 nelas 23:04
    Um boateiro indigno de ser deputado. Rua com o Coelho!
  • este agora
    26 jun, 2017 lis 21:05
    veio pedir desculpas de mau pagador!...É este o caracter deste personagem! Um responsavel não pode entrar pela linha dos boatos e debitar, tanto mais que se aproveitou da desgraça alheia para fazer a sua politiquice rasteira e farsola!
  • á teresa
    26 jun, 2017 port 20:13
    está a ver o filme às avessas! Se alguém mostra que está a servir-se da desgraça dos que sofrem é precisamente o sr Passos Coelho!...
  • Ângela Cristina Silv
    26 jun, 2017 Tondela 19:56
    Se tivessem vergonha nem sequer estavam a acusar o Dr. Passos Coelho quando ele foi induzido em erro pelo candidato á Câmara . Segundo se falassem menos e ajudassem mais as pessoas afetadas pelo grande incêndio de Pedrógão Grande talvez valessem mais
  • Pedro Godinho
    26 jun, 2017 lisboa 19:41
    Mas será que ainda ninguém percebeu que Pedro Passos Coelho divulgou uma notícia que lhe tinha sido transmitida pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pedrógão Grande! Momentos depois PPC veio desmentir essa mesma notícia, por não corresponder à verdade. Mas custa assim tanto ler a notícia?? Agora, claro, os socialistas aproveitam-se deste fait-divers para encobrir as enormes responsabilidades do Governo e do Estado nesta tragédia sem precedentes! Tenham vergonha e aprendam a ler e a interpretar notícias!
  • Nélio
    26 jun, 2017 ILHA DA MADEIRA 19:34
    Pedido de desculpas não Basta . Demissão.
  • Raio
    26 jun, 2017 Matosinhos 19:34
    É lamentavel que a "RR" permita aqui comentários desajustados com realidade de gente que quando lhe falta a razão e os argumentos recorrem ao insulto, e não dê hipótese de resposta com a reposição da verdade.......Neste caso os factos por muito que os queiram besconder são a existência de 62 mortos numa espécie de "holocausto" e ainda 12 desaparecidos....Não adianta os mercenários virem para aqui tentar branquear este crime!.....