O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Ministro das Finanças espanhol pede que não se condene Ronaldo antes do julgamento

20 jun, 2017 - 15:13

Cristóbal Montoro lamenta o tratamento mediático que o caso está a ter em Espanha. Ronaldo será ouvido em tribunal a 31 de Julho, por alegada evasão fiscal de 14,7 milhões de euros.
A+ / A-

O Ministro das Finanças de Espanha, Cristóbal Montoro, lembrou, esta terça-feira, que a presunção de inocência de Cristiano Ronaldo deve ser respeitada.

O avançado do Real Madrid será ouvido em tribunal a 31 de Julho, em Pozuelo de Alarcón, Madrid, com a audiência marcada para as 10h00. O futebolista português está a ser investigado por alegada evasão fiscal de 14,7 milhões de euros.

Em conferência de imprensa, Montoro lamentou o tratamento mediático que o caso está a ter em Espanha. "O que é importante, aos meus olhos, é que nenhuma pessoa é criminosa se não for condenada. É por isso que se deve aplicar o princípio da presunção de inocência em todos os domínios", frisou.

Para o Ministro espanhol, é reprovável que Ronaldo "já tenha sido declarado culpado publicamente". Não respeitar a presunção de inocência de qualquer acusado "não é digno de uma sociedade moderna, de um Estado de direito. Iisso não faz sentido e deve haver mais equilíbrio", afirmou.

Contudo, o responsável pela pasta das Finanças espanholas destacou que o Fisco "não olha sobre quem actua", apesar de considerar "lógico que aqueles que mais geram" estejam sob maior escrutínio.

Cristóbal realçou, portanto, que todos os desportistas devem ser "exemplares" e "particularmente escrupulosos no cumprimento das suas obrigações fiscais", pelo exemplo que representam para "toda a sociedade, por exemplo para os jovens e para as crianças".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.