A+ / A-
Correntes d'Escritas

Teolinda Gersão. Novo Acordo Ortográfico "foi a maior estupidez"

23 fev, 2017 - 13:19 • Maria João Costa

O acordo ortográfico marcou o debate no segundo dia do festival que decorre até sábado, na Póvoa de Varzim.
A+ / A-

A pergunta veio do público. "E o Acordo Ortográfico?" A mesa do segundo dia do Festival Correntes d'Escritas, na Póvoa de Varzim, que integrava escritores como Cristina Norton, a cubana Karla Suarez, o espanhol Ignácio del Valle, o guiniense Tony Tcheka e a portuguesa Teolinda Gersão, ficou sem saber como responder. Mas Teolinda Gersão, avançou, sem medos. Não hesitou. "Em 10 segundos: foi a maior estupidez que conheço."

A autora que venceu o último Prémio Vergílio Ferreira e que falou sobre "os escritores como testemunhas do seu tempo" justificou a sua aversão ao Acordo Ortográfico: "Entendemo-nos perfeitamente com grafias diferentes."

Teolinda Gersão foi mais longe ao dizer que "não faz sentido apagarmos a etimologia quando somos uma língua latina que só é representada por Portugal na Europa". Na perspectiva da escritora de "A árvore das palavras", "o Brasil não tem qualquer relação directa com o latim, é um país jovem que tem uma outra história".

Numa mesa com escritores de língua espanhola, mas de países diferentes, como Espanha, Cuba e Argentina, outros autores deram o exemplo daquilo que acontece com a língua de Cervantes.

Karla Suarez indicou que os livros são editados em cada país usando as expressões originais de cada país, sem que haja um acordo ortográfico. Ignácio del Valle, que está a editar em Portugal o livro "Céus Negros", pela Porto Editora, explicou que é nos outros países da América Latina onde se fala o castelhano que a língua está a evoluir.

A escritora Teolinda Gersão questiona sobre a aplicação do Acordo Ortográfico e pergunta: "Porque é que vamos apagar a nossa identidade? A troco de quê?" A autora conclui que "um acordo que está a ser negociado há 30 anos é porque falhou!"

Mas da outra ponta da mesa, uma voz diferente levanta-se. O autor guiniense Tony Tcheka considera "ser moda dizer mal do Acordo Ortográfico". Para este escritor, também jornalista, os tempos conturbados da Guiné-Bissau não têm permitido ao Parlamento ratificar o acordo da grafia portuguesa. Tcheka concluiu: "Não é prioritário."

O Festival Correntes d'Escritas decorre até sábado à noite na Póvoa de Varzim.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José
    04 mai, 2017 Seixal 23:22
    Não se percebe a resistência quase patológica ao chamado "acordo ortográfico", uns revelam um chauvinismo primário, outros ignorância porque não sabem ou não querem saber, da evolução que a língua portuguesa teve ao longo dos séculos, quer na sua estrutura, quer na sua evolução semântica, desde o latim popular até ao português dos nossos dias. Não é necessário ser especialista em língua portuguesa para perceber a sua evolução.
  • jose leal
    04 mai, 2017 cubangol@sapo.pt 21:40
    Farmacia escreve se com ph ??? Bapppptista ??? VIVA O NOVO ACORDO.QUEM DÁ FORÇA A LINGUA....Portugal ??? NAO...ANGOLA MOÇAMBIQUE BRASIL e restantes ex colonias...menos povoados!!!!!! NAO O BRASIÇ NAO FOI DESCOBERTO por Portugal!!! Nao foram recebidos pr indigenas?? E a minha querida ANGOLA...que já foi REPUBLICA POPULAR DE ANGOLA...idem MOÇAMBIQUE idem aspas.
  • Aceita que dói menos
    02 mar, 2017 Galiza 00:03
    Aceita Que Dói Menos - Chico Amado e Xodó é uma boa opção para todos vós. Eu acho bem que haja mais acordos destes. UNIFICAR e simplificar. Obrigado pelo artigo que me divertiu imenso.
  • Fernando Capovilla
    25 fev, 2017 São Paulo 02:04
    No meu laboratório na Universidade de São Paulo mapeei todas as relações Fonema-Grafema antes do acordo ortográfico e depois dele em 2,6 milhões de instâncias e quantifiquei o montante de aumento da dificuldade em escrever imposta pelo Acordo Ortografico . O mesmo e ainda pior para leitura. Ciência cognitiva é essencial para entender como. Estou ao dispor dos colegas pesquisadores sobre as vicissitudes de nossa lusofonia para questionar fortemente o Acordo e apontar os seus principais malefícios e o que fazer para ajudar nossas crianças a vencê-los .
  • Vera
    25 fev, 2017 Palmela 01:02
    Concordo com a 'estupidez'(falta de inteligência) e acrescento também: 'burrice'(teimosia) de quererem impor aos outros, vontades que não servem para coisa nenhuma.
  • RC Victor
    24 fev, 2017 Lx 18:19
    Devemos mobilizar-nos contra o AO e tomar acções efectivas como deixar de comprar qualquer livro, jornal ou revista escrita com erros (Acordo) ortográficos, também evitar visitar os websites escritos com o AO. Mobilizemos-nos Contra esta aberração e destruição da Lingua Portuguesa!
  • Joao Manuel Alves
    24 fev, 2017 Cacém 17:16
    Discordo. Conheço bem o AO e uso-o conscientemente. Metam nas vossa cabeças que não voltará para trás
  • Augusto Saraiva
    24 fev, 2017 Genève - Suiça 11:26
    Àh Granda Mulher! Que GRANDE SENHORA!!! Agora sim: até que enfim aparece mais uma autoridade moral e intelectual a dizer NÃO à anarquia que querem criar com o pseudo novo acordo ortográfico. Que grande homenagem ao saudoso Dr. Graça Moura! Não há dúvidas que este mundo só lá vai quando for governado por uma maioria de mulheres com o saber, autoridade moral e intelectual desta EXMª SENHORA. Os detractores da nossa querida língua e linda escrita só têm a partir de hoje de se resignar; "embalar a troxa e zarpar"; e passarem a meditar melhor no provérbio que diz: «AQUELE QUE SABE E SABE QUE SABE, É UM SÁBIO; IMITAI-O!»...
  • Mário Guimarães
    24 fev, 2017 Lisboa 09:48
    Exactamente de onde e de quem partiu esta ideia maravilhosa ?Dos estrangeiros que fizeram o 25 de Abril com criados portugueses? Para mudar o nome dos aeroportos sabujando-se a individuais duvidosos da história de Portugal são estes políticos bastante rápidos !
  • Isabel A. Ferreira
    23 fev, 2017 Porto 19:13
    Fiquei apreensiva com a participação da Teolinda Gersão, no Correntes d'Escritas, mas tinha a esperança disto mesmo: se aceitou foi para DESACORDAR.... Obrigada, Teolinda, por não ter defraudado as minhas expectativas em relação à sua postura. Obrigada, Teolinda, por não ter defraudado as minhas expectativas em relação à sua postura. Fiquei apreensiva com a participação da Teolinda Gersão, no Correntes 'd'Escritas, mas tinha a esperança disto mesmo: se aceitou foi para DESACORDAR.... Obrigada, Teolinda, por não ter defraudado as minhas expectativas em relação à sua postura.