A+ / A-

Missa lembra aqueles que morrem sozinhos

17 out, 2016 - 12:02 • Ana Lisboa

Celebração tem lugar no Chiado, em Lisboa, às 18h30 e será presidida por D. Joaquim Mendes, bispo auxiliar da capital.
A+ / A-

Quando se assinala o Dia para a Erradicação da Pobreza e dos Sem-abrigo, a Irmandade de S. Roque celebra uma missa na Basílica dos Mártires, em Lisboa, para lembrar os que morrem sozinhos.

A eucaristia tem lugar no Chiado, em Lisboa, às 18h30. Será presidida por D. Joaquim Mendes, bispo auxiliar de Lisboa.

O objectivo é lembrar todos aqueles que faleceram durante o último ano na capital, e que, por não terem ninguém, foram acompanhados pela Irmandade.

A igreja está “decorada com umas flâmulas com o nome. Depois, na altura da Oração dos Fiéis evocamos o primeiro nome de todos aqueles que acompanhamos ao longo do ano”, explica Mário Pinto Coelho, o 1.º vice-provedor.

A Irmandade cumpre, assim, as Obras de Misericórdia “enterrar os mortos” e “rezar pelos vivos e defuntos”.

Desde 2006, foram acompanhados 1.432 funerais de pessoas que terminaram a sua vida sem ninguém. O irmão Mário Pinto Coelho diz que há várias situações: “Aqueles que são sem-abrigo; aqueles que por overdose também morrem na rua; os que morrem em quartos alugados; e ainda os que morrem no hospital abandonados muitas vezes pelas próprias famílias ou que não têm família”.

Para cumprir esta missão a Irmandade da Misericórdia e de S. Roque conta com 14 irmãos que, em alguns casos, têm dificuldade em acompanhar todos os funerais. “Há dias em que há dois, três ou quatro. Mas uma vez já houve 14 funerais no mesmo dia”.

Por isso, o irmão Mário Pinto Coelho lança um desafio: “Aquelas pessoas que se sintam com disponibilidade e com generosidade suficiente para participar neste e noutros projectos, temos muito gosto em acolhê-los e acompanhá-los."


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.