|
A+ / A-

Imprensa Cristã propõe que 25% da publicidade dos Jogos Santa Casa financie títulos regionais

26 nov, 2019 - 20:30 • Susana Madureira Martins com Lusa

Face ao aproximar do final do contrato do serviço postal universal, em 2020, a Associação Portuguesa de Imprensa admite comprar “uma parte dos correios”.

A+ / A-

A Associação de Imprensa de Inspiração Cristã (AIIC) apela à alteração da lei que rege a publicidade institucional e pede a alocação a esse setor de parte do orçamento publicitário dos jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, de forma a permitir que várias publicações regionais possam manter-se em circulação.

A direcção da AIIC foi ouvida na tarde desta terça-feira na comissão parlamentar de Cultura e Comunicação, na Assembleia da República, em Lisboa, com a situação da imprensa regional e da sobrevivência de vários títulos como tema principal.

“Queria saber se há a possibilidade de que pelo menos 25% do orçamento publicitário dos jogos da Santa Casa possa ser alocado à publicidade institucional. Desta forma, sem haver aumento da despesa pública, poderá haver um contributo importante para a difusão da publicidade pelos meios regionais, uma vez que a licença de jogo é para todo o país, e não só exclusivamente para Lisboa”, salientou Paulo Ribeiro, presidente da AIIC.

O responsável fazia uma referência à negociação no âmbito da "licença pública que é atribuída à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para os jogos da Santa Casa, que é uma licença exclusiva que é concedida pelo Estado Português".

Imprensa regional "não sobrevive" sem Correios

O que está em causa é a sobrevivência da imprensa regional, justifica Paulo Ribeiro, e o mesmo argumento é usado pelo presidente da Associação Portuguesa de Imprensa (API), que lembrou que em 2020 termina o contrato do serviço postal universal, essencial para a distribuição dos títulos pelo país.

O presidente da API, João Palmeiro, não descarta mesmo a hipótese de compra de “uma parte dos correios”. “A situação para nós é tão séria que a API prevê essa possibilidade, se tal for necessário e possível. Isto serve para mostrar o quão determinados estamos”, declarou.

Vítor Brás, vice-presidente da instituição, referiu que "não há experiência em Portugal de renovação de contratos deste tipo", que a negociação "demora algum tempo" e "ainda não começou".

"Um assinante da imprensa, quando assina por um ano uma publicação, se assinar em fevereiro [de 2020], termina em fevereiro de 2021. E eu não tenho a certeza que em janeiro de 2021 tenha Correios tal como tenho hoje", afirmou. Vítor Brás disse ainda que "sem correios a imprensa regional não sobrevive".

As duas associações apelaram para que o orçamento do Estado de 2020 possa incluir algum tipo de solução que resolva os problemas da imprensa regional. O PS fez questão de dizer que aprecia as propostas de trabalho, mas não se comprometeu de imediato com nenhuma delas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.