|
A+ / A-

​Associação Portuguesa de Imprensa pondera comprar parte dos CTT

26 nov, 2019 - 20:08 • Lusa

Em causa está a situação relacionada com o fim do contrato do serviço de postal universal em 2020.

A+ / A-

A Associação Portuguesa de Imprensa (API) pondera "candidatar-se a comprar parte dos Correios" para "não deixar na mão de particulares" o futuro das publicações que representa.

"A situação para nós é tão séria que a Associação Portuguesa de Imprensa prevê a possibilidade de, se tal for necessário e possível, candidatar-se a comprar parte dos Correios", disse esta terça-feira o presidente da API, João Palmeiro, numa audiência na Comissão Parlamentar de Cultura e Comunicação, na Assembleia da República.

O responsável fazia referência à situação relacionada com o fim do contrato do serviço de postal universal em 2020, e deu esta medida como exemplo do quão "determinada" está a API em "mover as montanhas que sejam necessárias".

"Uma vez, deixámos na mão de privados, de particulares, o futuro das publicações que representamos. Não o vamos fazer uma segunda vez", garantiu o presidente da API.

A questão dos Correios já tinha sido abordada na audiência por Vítor Brás, vice-presidente da API.

"O problema da imprensa é complicadíssimo, como todos conhecemos. Mas estamos agregados a um problema tão ou mais complicado, que são os Correios", referiu o vice-presidente.

Vítor Brás referiu que "não há experiência em Portugal de renovação de contratos deste tipo", que a negociação "demora algum tempo" e "ainda não começou".

"Um assinante da imprensa, quando assina por um ano uma publicação, se assinar em fevereiro [de 2020], termina em fevereiro de 2021. E eu não tenho a certeza que em janeiro de 2021 tenha Correios tal como tenho hoje. Porque não tenho nenhuma segurança do que vai acontecer", afirmou o vice-presidente da API.

Vítor Brás disse ainda que "sem correios a imprensa regional não sobrevive".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.