O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Garantido. Final da Taça será no Jamor

17 mai, 2018 - 18:20

A Renascença apurou que os cenários alternativos desenhados por António Costa não estão em cima da mesa. O primeiro-ministro tinha admitido a deslocalização da final para outro estádio e a realização do jogo à porta fechada.
A+ / A-

A final da Taça será garantidamente no Estádio Nacional, em Oeiras, no Vale do Jamor. Fonte contatada pela Renascença assegurou que não há outro cenário em equação para o jogo de domingo, entre Sporting e Desportivo das Aves.

Não estão reunidas condições, de ordem logística, para a possibilidade de se alterar o palco do jogo e não há qualquer plano para fechar as portas aos cerca de 38 mil adeptos que já garantiram bilhete.

António Costa tinha admitido que a final poderia ser noutro local, sugerindo, inclusivamente, a Vila das Aves. Em declarações à imprensa portuguesa, na Bulgária, à margem da cimeira da UE, o primeiro-ministro admitiu, ainda, o cenário de o jogo vir a realizar-se à porta fechada, possibilidades também admitidas pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Posição do Desportivo das Aves

À Renascença, Luiz Andrade,presidente da SAD do Desportivo das Aves, manifestou abertura para adiar o jogo, caso estivesse em causa "a segurança de todos" e "desde que fosse para evitar uma catástrofe maior".

O dirigente ressalvou, no entanto, que considerava estarem reunidas as condições necessárias para a realização da partida no próximo domingo, à hora marcada, no Jamor.

A final da Taça de Portugal acontece a 20 de maio, no Estádio Nacional, a partir das 17h15. O jogo terá relato na Renascença e acompanhamento ao minuto em rr.sapo.pt.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.