A+ / A-

​Cáritas Europa quer os jovens no centro da ação social

09 mai, 2018 - 16:40 • Ana Lisboa

Esta é uma das conclusões do encontro regional da Cáritas Europa que durante três dias reuniu em Tbilisi, na Geórgia.
A+ / A-

Terminou esta quarta-feira a Conferência Regional da Cáritas Europa este ano dedicada aos jovens.

Estiveram presentes em Tbilisi, na Geórgia, 42 organizações com o objetivo de “debater e desenvolver formas de capacitar e envolver os jovens”.

A Cáritas Portuguesa esteve presente durante os três dias de trabalhos.

Em declarações à Renascença, Eugénio Fonseca disse que “a primeira conclusão é aproveitar as potencialidades e envolver os jovens na ação da Cáritas. Este envolvimento não pode ser só procurá-los para que eles sejam mandatários das ações de solidariedade que a Cáritas promove. Mas envolvê-los nas iniciativas logo desde a sua conceção, aproveitando as suas ideias criativas e envolvendo-os por inteiro como protagonistas totais dessas iniciativas”.

O responsável explica que, nesse sentido, “a Cáritas também se disponibiliza, em termos da Europa, a alocar recursos. Este alocar recursos tem a ver com a proposta aqui deixada que em cada Cáritas nacional haja uma pessoa alocada só para esta motivação dos jovens para a ação social e caritativa da Igreja”.

Os mais novos são, assim, considerados importantes para assegurar o futuro da Cáritas, ou seja, “sem os jovens esse futuro não se concretizará. Por isso, saiu daqui uma vontade determinada de procurar em sintonia com os movimentos juvenis já existentes na Igreja, trazer para a vida da Cáritas, a partir das comunidades cristãs, a nível diocesano e depois nas estruturas mais amplas a nível europeu, a proposta de intercâmbio entre jovens europeus, para que na troca de experiências se possa levar essa criatividade mais longe”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.