O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Um século e meio de arte portuguesa para explorar no Museu do Chiado

19 abr, 2018 - 12:18 • Maria João Costa

A exposição "Arte portuguesa. Razões e Emoções" é inaugurada esta quinta-feira, em Lisboa, com mais de 200 obras. Metade foi exposta poucas vezes ou nunca foi mesmo mostrada.
A+ / A-

É como abrir um livro de história de arte portuguesa. A partir desta quinta-feira, entrar no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) do Chiado vai corresponder a fazer uma viagem através da arte criada por artistas portugueses desde meados do século XIX até à primeira década do século XXI.

A exposição "Arte Portuguesa. Razões e Emoções" ocupa todo o edifício do museu e permite um olhar diferente sobre o acervo do MNAC, explica Maria de Aires Silveira, uma das curadoras desta mostra.

"É muito raro apresentarmos assim esta abrangência, este arco temporal tão abrangente, ou seja, esta exposição é desde 1850 até 1980 e [temos] ainda uma pequena exposição na outra ala da Rua Capelo com obras de artistas mais contemporâneos."

De Columbano a Almada Negreiros, de Fernando Lanhas a Julião Sarmento, são mostradas obras que espelham um percurso pela história da arte portuguesa em 220 obras de 97 artistas.

Nesta exposição são apresentadas 70 obras que são mostradas pela primeira vez ou que foram poucas vezes expostas, algumas delas de artistas menos conhecidos.

A exposição, que ficará patente no MNAC até 31 de março de 2019, termina na ala nova do Museu do Chiado com um salto para o século XXI.

"Arte portuguesa. Razões e Emoções" é um dos temas em destaque no programa Ensaio Geral da Renascença, para ouvir esta sexta-feira depois das 23h.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.