RR
|
A+ / A-

Sobreviveu ao terramoto de Lisboa e a um fogo. A Igreja dos Italianos faz 500 anos

05 abr, 2018 - 08:30 • Maria João Costa

Construída em 1518, a Igreja de Nossa Senhora do Loreto, no Chiado, em Lisboa, celebra no dia 8 de abril cinco séculos de história. Missa solene vai contar com a presença do Presidente da República

A+ / A-

É conhecida como a Igreja dos Italianos, foi construída em 1518 e está a comemorar 500 anos. A Igreja de Nossa Senhora do Loreto, no Chiado, em Lisboa, vai assinalar o aniversário ao longo de um ano.

As festividades começam já no domingo, dia 8l, com uma missa solene, às 10h30, que contará com a participação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e que será presidida pelo Núncio Apostólico, Monsenhor Rino Passigato.

Situada no coração de Lisboa, entre o Largo do Chiado e a esquina com a rua da Misericórdia, a igreja foi construída em 1518, a pedido da comunidade italiana residente no nosso país. Na altura, situava-se fora da cidade, junto à Muralha Fernandina.

Alvo de obras de restauro recentes, a igreja tem hoje “mais visitantes”, explica Manuel de Nóbrega, um dos padres que assegura as confissões diárias nesta igreja lisboeta, edificada devido à vontade de “mercadores italianos muito ricos que viviam em Portugal”, como indica a responsável pelo arquivo, Nunziatella Alessandrini. Entre os visitantes contam-se hoje vários dos turistas que inundam a cidade.

De Itália, chegaram de navio a Lisboa muitos dos materiais com que a igreja foi construída. A responsável pelo arquivo descreve que, pelo mar, entraram as embarcações vindas das regiões de Génova e Roma “carregadas com mármores, colunas e estátuas”, materiais que fizeram desta uma “igreja muito rica”.

No âmbito das comemorações dos 500 anos do Loreto, será apresentado, a 9 de abril, na embaixada de Itália, um livro com alguns artigos científicos inéditos sobre a igreja, um deles da autoria de Vitor Serrão.

Atingida ao longo dos séculos por várias catástrofes, a Igreja do Loreto sofreu um grande incêndio em 1651. Ao programa Ensaio Geral, da Renascença, que poderá ouvir esta sexta-feira, depois das 23h00, Nunciatella Alessandrini explica que esse fogo “destruiu parte do arquivo e documentação" que ali existia à data. Também o terramoto de Lisboa de 1755 afetou o edifício, que só seria reconstruído 30 anos depois.

Nos últimos anos, a chamada Igreja dos Italianos foi também alvo de obras de restauro. Segundo o reitor, padre Francesco Temporin, o edifício “precisava mesmo de uma intervenção urgente”. Essas obras, explica o padre dehoniano, começaram pelo telhado, que “sofria de uma infiltração de água que estava a afetar as paredes e as pinturas”.

O ritmo das obras avançou depois para o interior da igreja e, de acordo com o reitor, “há ainda umas coisinhas por fazer", que serão concretizadas "mediante as possibilidades”. Neste Ano Europeu do Património, o responsável da Igreja do Loreto assegura que o restauro é para continuar.

Numa altura em que se prepara a missa solene que assinalará o arranque das comemorações dos 500 anos - que será concelebrada pelos bispos emérito dos Açores, monsenhor António Braga, e do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, pelo reitor da igreja, padre Francesco Temporin, e pelo padre José Agostinho, o Superior Provincial dos Dehonianos portugueses - a Igreja do Loreto mantém as portas abertas, diariamente

Um dos fatores que, desde há 60 anos, a torna única no panorama das igrejas do Chiado é “a finalidade especial de ter confissões”, todos os dias, explica Manuel da Nóbrega. O padre, que integra a equipa de sacerdotes disponíveis diariamente para as confissões na igreja, descreve que ali acorrem "pessoas de outras terras, porque sabem que aqui há sempre um sacerdote”.

Aos domingos, mantém-se a tradição secular de se juntarem os italianos na missa da manhã. Contudo, quando a igreja foi construída, Itália não era uma nação una, como hoje a conhecemos. Alessandrini, que é investigadora do Centro de História da Universidade Nova de Lisboa, explica que Itália “estava completamente dividida”, mas que “os italianos em Lisboa quiseram construir uma igreja da nação italiana, para falarem a própria língua e para minimizar as diferenças, sobretudo políticas, que existiam" no país.

Hoje, esta igreja é também um importante local para as pessoas ligadas à aviação, uma vez que a Nossa Senhora do Loreto é a padroeira da aviação. Ao longo de 2018, será promovido um ciclo de conferências sobre a relação luso-italiana e na igreja vão decorrer vários concertos.

Toda a programação pode ser encontrada no prospeto disponível na igreja ou aqui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.