|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sobreviveu ao nazismo para levar Jesus às cadeias portuguesas. Morreu o padre Dâmaso Lambers

22 fev, 2018 - 20:12 • Filipe d'Avillez

Cresceu no meio da guerra e desde pequeno que quis ser padre. Da Holanda à cadeia do Linhó vai uma grande distância, mais ou menos do tamanho de um coração inteiramente entregue a Jesus.

A+ / A-
"Estou contente. Estou feliz. Estou entregue". Padre Dâmaso, 1930-2018
"Estou contente. Estou feliz. Estou entregue". Padre Dâmaso, 1930-2018

O padre Dâmaso Lambers morreu esta quinta-feira, no Hospital da Ordem Terceira, em Lisboa. O homem que levou Jesus para a cadeia tinha 87 anos. Durante anos a Renascença foi como a sua segunda paróquia.

O corpo do padre Dâmaso estará em câmara ardente na Igreja de Nossa Senhora do Amparo de Benfica, a partir das 16h00 de sexta-feira, dia em que haverá duas missas de corpo presente: às 17h30 e às 19h15. No sábado, haverá missa às 9h00 e, às 10h30, haverá nova missa presidida pelo cardeal patriarca de Lisboa. D. Manuel Clemente.

A seguir, o corpo sairá da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Benfica para a casa mortuária de Alcabideche. As 16h30 vai à prisão do Linhó. Pelas 18h00, será cremado no cemitério de Alcabideche.

Hermano Nicolau Maria Lambers nasceu no dia 9 de junho de 1930 numa Holanda ainda a viver a Primavera depois da Primeira Guerra Mundial. Nada fazia prever as nuvens negras que em breve viriam estragar os bons tempos, semeando morte e destruição. Nada fazia prever que um dia seria conhecido como Dâmaso e que passaria grande parte da vida atrás das grades, pregando numa língua estranha, num país desconhecido.

Tinha 10 anos quando os nazis invadiram o seu país. O resto da infância e princípio da adolescência foram-lhe roubados pelos soldados alemães, os mesmos que apareciam de vez em quando na igreja onde os Lambers iam à missa. Na igreja estavam lado-a-lado com o inimigo, eram irmãos na fé, mas depois não havia misturas.

Foram tempos difíceis, passou-se fome, os jovens passavam os dias a procurar lenha para os idosos e os doentes, porque os invasores ficavam com o carvão todo. Numa mostra de generosidade, os alemães ofereciam sopa aos holandeses. “Era 99.9% água. Não alimentava nada, era ridículo”, recorda.

Morreram conhecidos, vizinhos foram fuzilados por ligação à resistência, mas nada abalou a fé do pequeno Hermano que ainda muito novo era dado a desaparecer de ao pé dos irmãos, sendo encontrado mais tarde ajoelhado no quarto a rezar.

Ainda decorria a guerra quando manifestou interesse em ser padre, mas os seminários tinham sido bombardeados depois de ocupados pelos alemães. Foi orientado por alguns padres da congregação a que mais tarde se juntou, os Sacerdotes da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria, tendo sido ordenado em 1955, aos 25 anos. Adotou o nome Dâmaso e foi assim que passou a ser conhecido o resto da vida.

Queria ser missionário, queria ir para terras exóticas pregar a Boa Nova, dar a conhecer Cristo, e foi com desagrado que em 1957 recebeu ordens para rumar a Portugal, onde o cardeal Cerejeira pedia mais padres holandeses para as missões populares. Mas obedeceu, como toda a vida faria com os seus superiores, incluindo com o cardeal Cerejeira, a pedido de quem até se naturalizou português em 1962, uma decisão que foi mal recebida pelo seu pai, que o encarou e início como uma renúncia à sua identidade holandesa.

Este país para onde veio contrariado acabaria por o conquistar. Conheceu e tornou-se amigo de Monsenhor Lopes da Cruz, fundador da Renascença, e a sua colaboração com a Emissora Católica durou o resto da sua vida.

Amar os reclusos

Mas a sua grande vocação ainda estava para se revelar. Em 1959 deu uma conferência na prisão feminina de Tires e correu tão bem que o convidaram para dar mais, noutras prisões. Acabou por perceber que para poder ajudar os reclusos teria de se identificar totalmente com eles, oferecer-se totalmente a eles. “Para se meter no mundo dos presos é preciso renunciar a nós mesmos”. Primeiro como visitador, depois como capelão, ficou conhecido como o padre das prisões.

Ajudou incontáveis homens e mulheres, amava-os a todos plenamente. Não lhe chegava levar-lhes Cristo à prisão, ajudá-los com bens ou até com o dinheiro que tinha com ele – pois como recordou mais tarde um ex-recluso, havia muitos que se aproveitavam da sua bondade – e por isso fundou “O Companheiro” com a ajuda de alguns amigos, em 1987. A organização ainda existe e dedica-se a ajudar ex-reclusos a reintegrar-se na sociedade. Até ao fim da vida acontecia irem ter com ele na rua homens de quem já não se lembrava, a querer agradecer-lhe tudo o que tinha feito por eles.

O seu trabalho de capelania levou-o a Roma, foi recebido em audiência por João Paulo II, com quem falou alguns minutos. O que ouviu tocou-o profundamente, nunca o esqueceu, mas também garantiu que nunca o partilharia com ninguém.

Fundou a Associação Confiar e foi um dos fundadores das Aldeias SOS.

Costuma-se dizer que as homenagens chegam tarde, frequentemente depois da morte do homenageado, mas o padre Dâmaso foi exceção à regra. Em 2009 foi condecorado por Cavaco Silva com o grau de Grande Oficial da Ordem do Mérito; em 2011 recebeu uma homenagem da Prison Fellowship International, uma organização mundial de inspiração cristã que se dedica à pastoral prisional e em 2016 foi a vez da “sua” Renascença inaugurar uma sala com o seu nome e prestar-lhe um tributo público.

A mensagem que deixou nesse dia foi quase idêntica à que repetia todas as semanas, nas missas semanais que celebrava na emissora. Uma insistência no carácter cristão da Renascença. Podiam estar só dois ou três na capela, mas era ali, no sacrário ou no altar que estava o coração daquela organização e ninguém que lá trabalhava o devia esquecer.

Dava o exemplo. Era também esse o seu centro, o seu tudo. O seu Jesus “fantástico” que nunca se cansou de servir, que amava perdidamente. Fez a primeira comunhão aos sete anos e desde essa altura foram poucos os dias em que não comungou. “Eu vivo de manhã para a consagração e o resto do dia vivo a partir da consagração”, chegou a dizer.

A comunhão com Jesus agora é plena, face-a-face, e quem o conheceu pode adivinhar as suas primeiras palavras ao entrar no Céu. “Isto é fantástico”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Conceição
    24 fev, 2018 Algueirão 23:22
    Obrigada Padre Dâmaso pelas suas homilias, onde tive a graça de participar. Obrigada por tudo o que nos ensinou. Paz à sua alma.
  • Manuel Rocha
    24 fev, 2018 Cabinda Angola 20:42
    Quero deixar aqui uma palavra de saudade para o homem que partiu e com quem tive o prazer de viajar em perigrinação á Terra Santa em 1999, foram dias inesquecíveis tanto para mim como para minha esposa, vivíamos momentos difíceis com a doença de nossa filha, quando escutei o anúncio na RR emissora de minha preferência, disse tenho que ir a viagem era para duas pessoas, minha esposa católica mas na altura algo desacreditada na fé, mas a consegui convencer e lá fomos nós, não vamos esquecer nunca mas não só essa viagem mas também o homem o Padre Damaso com um coração enorme, enfim um coração sem tamanho... durante anos ainda estivemos em contacto e recebia com frequência o jornal que ele era editor. Eterna saudade Padre Damaso que Deus permita ocupares o lugar no céu que sei está para ele reservado. 🙏
  • Maria Oliveira
    24 fev, 2018 Oliveira de Azeméis 09:23
    Conhecia o Padre Dâmaso de o ouvir na Renascença.Foi um Padre que sempre viveu para ajudar o próximo.Obrigada Padre Dâmaso por tudo o que fez para bem dos outros.Certamente está junto de Jesus muito feliz.As minhas condolências à rádio renascença.
  • Alfredo Anciaes
    24 fev, 2018 Massamá 09:18
    Reconhecido. Tudo de bom aí. Uma força para nós aqui.
  • Júlia Rocha
    23 fev, 2018 Alcabideche 20:39
    Era um ser humano muito rico sempre com um sorriso para nos oferecer era um vizinho muito querido as minhas filhas adoravam-no descanse em paz sr.padre
  • De Oliveira Antoine
    23 fev, 2018 Montpellier 19:38
    Ouvi bater a porta un grande homen apareceu, tinha uma pernuncia de extranjeiro entao ère o padre damaso.Esse santo homen me visitou durante os meses de ala c .Hoje só peço a Deus que lhe dei un cantinho do paraiso. Conclusâo foi uma luz nas noites negras do linhò.
  • Maria Fortunata More
    23 fev, 2018 Pero Pinheiro 18:36
    O Padre que me casou vai fazer 43 anos já em Agosto. Nunca o esquecerei, Sr. Padre Dâmaso. Descanse em Paz <3
  • Emanuel Silva
    23 fev, 2018 Alcabideche 17:48
    Obrigado Sr Padre Damasô Todos os comentários que tive a oportunidade de ouvir nao conseguem exprimir aquilo que o Sr Padre foi tudo é pouco para exprimir o amor deste homem por Jesus e aos homens Graças a Deus tive o privilégio de estar pessoalmente com ele num cursilho de cristandade e como tal posso dizer com muito carinho muito obrigado Sr Padre Damasô pela sua voz amiga sempre disponível Até sempre Att Emanuel Silva
  • elisabetes
    23 fev, 2018 cascais 17:31
    as minhas condolencias pela grande perca do grande homem de deus para que deus lhe aba as portas do ceu
  • Amaro Frutuoso
    23 fev, 2018 Póvoa de Varzim 17:23
    Habituei-me todas as noites, à meia-noite, a ouvir o seu comentário na Rádio Sim. Deixei a algumas semanas de o ouvir, razão está dada, a falta de saúde. Não sei como vou passar sem o seu comentário, que já fazia parte do meu quotodiano. Deus o receba no Seu reino. Obrigado Padre Dâmaso.