O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Conferências do Estoril. Madeline Albright fala sobre os desafios às democracias abertas

29 mai, 2017 - 09:00

Edward Snowden, Madeleine Albright, Joseph E. Stiglitz, Sérgio Moro e Baltasar Garzón são alguns dos oradores da edição 2017 das Conferências do Estoril, de 29 de Maio a 1 de Junho. A Renascença é a rádio oficial.
A+ / A-

Em dispositivos móveis, clique no vídeo para assistir à conferência em directo

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Ferreira
    30 mai, 2017 Porto 19:32
    Parabéns à RR, por esta transmissão. É deste tipo de informação que o público necessita para começar a ter noção dos seus direitos e como exerce-los. Parabéns aos convidados; juízes ( eu prefiro chamar-lhes super-juízes ), porque quem tem a coragem destes juízes só podem ser super-juízes e, a Snowden que tem contribuído, como muitos outros, para desmistificar muita coisa que passa de forma , falsa e manipulada para a opinião pública.
  • batuque
    30 mai, 2017 amazônia 17:01
    Quando o batimento vem do sítio predilecto da corrupção, quem não fica realizado profissionalmente ?!
  • mendes
    30 mai, 2017 braga 16:06
    eu conheco um governo que nao foi eleito o portugues nao foi eleito
  • mara
    30 mai, 2017 Portugal 08:45
    Devemos acolher os refugiados com solidariedade e procurar ajuda-los, deve ser horrível o facto de ter que deixar o nosso mundo para não sermos mortos injustamente com os nossos filhos e netos, mas o grande problema é virem com essas pessoas que procuram a Paz para as suas vidas, pessoas que vêm para cá cometer barbaridades iguais às que estão a fazer nos seus países, deve-se estar muito atentos para que não sejamos envolvidos no mesmo drama, infelizmente já temos tragédias a mais na Europa, devemos fazer os possíveis para que não se repitam casos desses...Cuidado, devemos ser solidários mas também cautelosos...
  • Não há pessoas más?
    29 mai, 2017 Esta não entendo! 15:04
    "Penso que a natureza humana é ser bom. Não há pessoas más", defende Fareeda Khalaf. Com a primeira concordo, agora com a segunda??? Não há pessoas más? Isto é uma mania tola que muita gente tem, por isso é que há muitas pessoas boas a pagar pelo preço muito alto, até ao ponto de perderem as suas vidas, precisamente por quererem misturar as más com as boas. Há maus que são maus, porque são maus e porque gostam de ser maus e nunca vão ser bons, só porque estão entre os bons. E mesmo que haja um ou outro mau que passe a ficar bom, há muitos maus que nunca deixarão de ser maus. Tem se visto muito o resultado por se pensar assim. Quanto deles vem feitos de coitadinhos, não falo desta mulher, que depois de o acolheram ainda pagam é com atentados e matam centenas de pessoas inocentes. Em inglaterra há 20 mil sob vigia, ou possíveis terroristas, o facto de eles viverem entre os bons faz deles pessoas de bem? E esta besta que fez o atentado e matou crianças, alguém o tinha feito mal? Porque se virou para os terroristas? Então não tinha um cérebro para distinguir o bem do mal? Aceitou o mal? E matou gente inocente que não lhe fizeram mal? É com este tipo de bondade que os outros têm que viver? Não há pessoas más? Então se as mulheres estão em cativeiro, é porque quem as mete em cativeiro são pessoas boas? E como combater contra estes que querem ser maus e gostam de ser maus e nada os fará mudar? Com sorrisos e elogios? Pois o resultado está à vista.....