O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei

Portugal condenado por negligência na vigilância de um doente psiquiátrico

27 mai, 2017


António Carvalho tinha 35 anos quando se atirou para debaixo de um comboio. Três anos depois, a mãe intentou uma acção contra o hospital, por entender que este tinha sido negligente. Oito anos depois, o tribunal decide que o hospital não pode ser responsabilizado. Mas a mãe não desistiu e o Estado português acabou condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos por negligência no dever de vigilância sobre um doente psiquiátrico.

É este o tema do programa deste sábado, que tem como convidados Maria João Carvalho, irmã de António Carvalho, uma das advogadas que defendeu a causa da família no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, Catarina Botelho, o professor da Faculdade de Direito de Coimbra e membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, André Dias Pereira, e o psiquiatra do hospital Júlio de Matos Fernando Vieira, que se tem dedicado às questões da psiquiatria forense.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.