Tempo
|
A+ / A-

Ciência

Além de parecer a Estrela da Morte, a lua de Saturno tem outro segredo

12 fev, 2024 - 18:55 • Will Dunham, Reuters

Debaixo do gelo e das crateras, cientistas da NASA descobriram um oceano no subsolo de Mimas

A+ / A-

A sua estranha semelhança com a temida Estrela da Morte, da saga Star Wars, é um dos motivos que faz com que Mimas, uma das muitas luas de Saturno, tenha ganhado fama. Mas há outra curiosidade intrigante - um oceano escondido no subsolo, debaixo da sua camada exterior gelada e cheia de crateras.

Os dados obtidos pela sonda espacial Cassini da NASA sobre o movimento de rotação e a órbita de Mimas confirmam a presença de um oceano de água líquida por baixo de uma camada de gelo de 20-30 km de espessura. Este oceano, revelado na semana passada por astrónomos da agência espacial norte-americana, parece ter-se formado recentemente, em termos cósmicos - há menos de 25 milhões de anos e provavelmente entre 5 e 15 milhões de anos atrás.

As descobertas fazem de Mimas um local atraente para a exploração das condições que poderiam levar à formação da vida, considerando que os primeiros organismos vivos da Terra surgiram nos mares primordiais do nosso planeta mares primordiais do nosso planeta há mil milhões de anos.

"À primeira vista, é o sítio mais improvável do sistema solar para procurar água líquida", disse o astrónomo do Observatório de Paris de Paris, Valery Lainey, autor principal do estudo publicado na revista Nature. "Parece velho e inativo - uma enorme quantidade de crateras. Nada denunciava a existência de um oceano."

Mimas torna-se a mais pequena das cinco luas do nosso sistema solar com provas convincentes de oceanos subterrâneos, a par de Encélado e Titã, em Saturno, e Europa e Ganimedes, em Júpiter, disse Lainey. Há também suspeitas de oceanos subsuperficiais nalgumas outras luas, incluindo Calisto de Júpiter.

A Cassini terminou 13 anos de estudo de Saturno e das suas luas em 2017 com um mergulho mortal na atmosfera do enorme planeta. As observações da Cassini da superfície gelada de Mimas não detectaram quaisquer deformações que sugerissem a existência de um oceano no subsolo. Mas os investigadores determinaram que certos aspectos da sua órbita só podiam ser explicados pela presença de um oceano interno, ao invés de um interior sólido.

Mimas é a sétima maior lua de Saturno, que no total que tem mais de 100 luas, desde Titã - maior do que o planeta Mercúrio - até algumas com o tamanho de um quarteirão.

Mimas, que não é exatamente redonda, tem um diâmetro médio de cerca de 250 milhas (400 km). Está tidalmente bloqueado, o que significa que mostra sempre o mesmo lado em direção a Saturno, tal como a nossa lua faz com que a Terra. A caraterística mais emblemática de Mimas é a cratera Herschel, que se estende por um terço da sua face e faz com que a lua se pareça com a Estrela da Morte.

A lua da Terra é cerca de 2.000 vezes mais maciça do que Mimas.

A presença de um oceano interno implica uma forte fonte de calor dentro de Mimas que transformou o gelo num oceano. Mimas segue uma órbita elíptica em torno de Saturno, a uma distância média de cerca de 115.000 milhas (186.000 km). À medida que a distância de Saturno muda ao longo da órbita, as forças gravitacionais e de maré exercidas por Saturno também mudam.

"Isto resulta numa deformação periódica do interior de Mimas, e parte da energia envolvida nestas deformações é convertida em calor", explicou o cientista planetário e coautor do estudo, Gabriel Tobie, da agência francesa de investigação científica CNRS e da Universidade de Nantes.

A água líquida no interior de Mimas representa mais de metade do volume total desta lua, embora seja apenas 1,2 - 1,4% da quantidade existente nos oceanos da Terra. O facto de a água estar em contacto com o núcleo rochoso de Mimas pode facilitar o tipo de química complexa que poderá abrir caminho à vida.

Os cientistas acreditam que os ingredientes básicos para a vida - calor, água e compostos orgânicos - existem no sistema saturniano em Enceladus, que tem enormes plumas em erupção na sua superfície. Mesmo que Mimas também tenha estes ingredientes, o facto de o seu oceano ser tão jovem "pode ser um desafio para o desenvolvimento da vida", disse Tobie.

"No entanto, ninguém sabe quanto tempo a vida precisa para emergir de um ambiente adequado", acrescentou Tobie. "Mimas pode oferecer uma oportunidade única para explorar a primeira fase do desenvolvimento da vida."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+