Tempo
|
A+ / A-

1958-2023

"The Pogues". Vocalista Shane MacGowan morre aos 65 anos

30 nov, 2023 - 12:19 • Redação

O músico tinha problemas publicamente conhecidos com drogas e álcool.

A+ / A-

O compositor e vocalista da banda de rock irlandesa The Pogues, Shane MacGowan, morreu aos 65 anos, após problemas de saúde e um recente internamento hospitalar após um diagnóstico de encefalite, segundo avança a BBC News.

A sua esposa, Victoria Mary Clarke, publicou uma fotografia e um texto na conta de Instagram sobre o marido.

Um comunicado do porta-voz de MacGowan confirmou que o cantor "morreu pacificamente às 3h30 desta manhã (30 de novembro) com a esposa e irmã ao lado". "Orações e a extrema-unção foram lidas durante a sua morte", acrescentou.

A 22 de novembro, Clarke confirmou que tinha saído do hospital e, poucos dias depois, comemorou o aniversário de casamento. Ambos declararam estar gratos por "ainda estarem vivos".

O músico, que nasceu no dia de Natal em 1957, ficou conhecido, sobretudo, pelos The Pogues, uma banda punk rock, com influências da música tradicional irlandesa, que cofundou nos anos 1980, e pelo tema "Fairytale of New York", com Kirsty MacColl, votado como a canção de Natal mais popular do Reino Unido.

Os The Pogues foram formados em Londres, para onde MacGowan se tinha mudado, integrando o movimento punk que estava a emergir na cidade em finais dos anos 1970.

A presença nos The Pogues foi intermitente, até por causa dos conhecidos problemas de Shane MacGowan com álcool e drogas, mas o grupo teve o pico de sucesso entre os anos 1980 e 1990 e o músico tornou-se uma figura de culto na música irlandesa e inglesa.

A banda assinou canções como "Sally MacLennane", "Dirty Old Town" ou "Fiesta", vertida para português como "Festa" pelos Despe & Siga.

Shane MacGowan ainda passou por outros projetos, como The Nipple Erectors, Shane MacGowan and The Popes e o mais recente The Shane Gang.

Em 2001 publicou a autobiografia "A Drink with Shane MacGowan" ("Um copo com Shane MacGowan", em tradução livre), coescrito com a mulher, Victoria Mary Clarke, e na qual recorda, por exemplo, os primeiros episódios de infância, em que a família lhe dava bebidas alcoólicas e o pai o levava a bares.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+