Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Lídia Jorge vence prémio literário Fernando Namora

08 nov, 2023 - 10:46 • Lusa

A obra “Misericórdia” foi escolhida por unanimidade. A história decorre entre abril de 2019 e abril de 2020, data da morte da mãe da autora, que foi uma das primeiras vítimas da Covid-19 no Algarve.

A+ / A-

A escritora Lídia Jorge venceu o Prémio Literário Fernando Namora, no valor de 15.000 euros, com o romance "Misericórdia" (2022), anunciou esta quarta-feira a Estoril-Sol, que promove o galardão.

A obra foi escolhida por unanimidade, tendo o júri, ao qual presidiu Guilherme D'Oliveira Martins, assinalado que se trata de "um romance, numa escrita marcada por singular criatividade, [que] transfigura ficcionalmente a matéria do real que o suscita e, na construção da personagem nuclear como de outras, nos múltiplos momentos da efabulação, nos planos em torno dos seus universos sociais, emocionais, afetivos, e nas notações de um processo de perda sem excessos descritivos, exprime uma voz com atributos incomuns de generosidade e humanismo", segundo nota enviada à agência Lusa.

O júri realçou "a manifesta qualidade literária de vários dos livros a concurso", salientando as obras "W. B. Yeats, Onde Vão Morrer os Poetas", de Cristina Carvalho, "Um Cão no Meio do Caminho", de Isabela Figueiredo, "História de Roma", de Joana Bértholo, e "Cadernos de Água", de João Reis.

Com o romance "Misericórdia", a autora de 77 anos venceu, em agosto passado, o Prémio para Melhor Livro Lusófono publicado em França, atribuído pela redação da revista literária Transfuge, e foi uma das candidatas ao Prémio Femina, na categoria de melhor romance estrangeiro publicado em França.

Ganhou também o Grande Prémio de Romance e Novela/2022 da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

"Misericórdia" foi escrito por Lídia Jorge quando a mãe, internada numa instituição para idosos, no Algarve, várias vezes lhe pediu que escrevesse um livro com este título.

Segundo a escritora, este não é um livro "mórbido" e a sua escrita não lhe suscitou sentimentos de tristeza ou dor. Antes, é um "livro sobre o esplendor da vida que acontece quando as pessoas estão para partir", sobre os "atos de resistência magníficos, que as pessoas têm no fim da vida".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+