Tempo
|
A+ / A-

Setor do cinema pede reativação do Monumental em Lisboa

30 ago, 2023 - 20:17 • Lusa

O Ministério da Cultura salientou que, "a confirmar-se a existência de interessados, uma eventual reativação do cinema Monumental dependerá sempre do acordo entre aqueles e o proprietário do edifício".

A+ / A-

Associações, produtoras e exibidoras de cinema pedem a reativação das salas do edifício Monumental, em Lisboa, encerradas em 2019, e cuja desafetação à exibição cinematográfica foi pedida ao Ministério da Cultura pela empresa proprietária do espaço.

O Ministério da Cultura recebeu em julho um "pedido de desafetação das salas de cinema do Monumental à atividade de exibição cinematográfica, que lhe foi dirigido pelos proprietários do edifício", confirmou hoje à Lusa a tutela, algo que foi noticiado pelo Observador na semana passada.

Na terça-feira, num texto de opinião publicado no jornal Público, 21 profissionais do setor, que representam, entre outros, a Associação de Produtores Cinema e Audiovisual, a Associação Portuguesa de Realizadores, os festivais DocLisboa, IndieLisboa e Curtas de Vila do Conde, as produtoras Midas Filmes, O Som e a Fúria e Alambique, e a exibidora Cinemas Castello Lopes, apelaram para que a desafetação das salas do Monumental não seja autorizada.

Os signatários lembraram que "o país, e Lisboa em particular, tem uma gritante falta de cinemas, e sobretudo de cinemas que não sejam apenas lojas anónimas de centro comercial", e alertaram que, "com a situação do imobiliário na capital e um pouco por todo o país, qualquer espaço que se perca para o cinema (e para a cultura) será um dano irreparável".

O Ministério da Cultura, na resposta enviada hoje à Lusa, referiu que, "antes de tomar uma decisão, o ministro entendeu ser seu dever esclarecer se a possibilidade de reativar a exibição cinematográfica naquelas salas se encontra esgotada".

Para isso, Pedro Adão e Silva endereçou uma missiva às entidades com assento na SECA (Secção Especializada do Cinema e do Audiovisual, do Conselho Nacional de Cultura), "com vista a apurar se existem interessados na exploração comercial desses cinemas".

O prazo para as entidades responderem termina na quinta-feira.

Além disso, a tutela "solicitou esclarecimentos adicionais à proprietária do edifício".

Só depois de ter todas as respostas, "o ministro poderá tomar uma decisão sobre o pedido de desafetação que lhe foi dirigido".

Para os signatários do artigo publicado na terça-feira, "trata-se de [o ministro] estar à altura do momento e de finalmente fazer alguma coisa para que o cinema -e o cinema é nas salas de cinema que vive! -retome entre o lugar que já foi seu".

"Que finalmente exista uma política para o cinema que coloque o problema (da ausência) das salas de cinema no centro das suas preocupações", lê-se no texto.

O Ministério da Cultura salientou que, "a confirmar-se a existência de interessados, uma eventual reativação do cinema Monumental dependerá sempre do acordo entre aqueles e o proprietário do edifício".

No final de julho, a empresa proprietária do edifício Monumental, Merlin Properties, disse ao jornal Observador que não via "viabilidade de reabrir" as quatro salas de cinema, "entre o forte investimento que é necessário fazer no espaço e o momento difícil que o setor atravessa".

Segundo a mesma fonte, que garantiu que as obras no edifício não afetaram o espaço do cinema, encontrar um novo exibidor "está fora de questão".

O Cinema Monumental, com quatro salas, encerrou em setembro de 2019, por causa das obras de remodelação no edifício, localizado no Saldanha.

Na altura, o cinema era explorado pela exibidora Medeia Filmes, do produtor Paulo Branco, que então explicou à Lusa que apesar de não ter sido formalizado qualquer contrato, havia uma garantia de regresso da Medeia Filmes àquele espaço.

Questionada pela agência Lusa, fonte da comunicação da empresa espanhola Merlin Properties, proprietária do edifício, tinha revelado anteriormente a intenção de manter a exploração de cinema após a remodelação.

Em julho deste ano, a empresa garantiu ao Observador que os espaços do cinema "permanecem vazios e atualmente não são utilizados". O edifício acolhe agora os escritórios do banco BPI.

Em resposta a questões da agência Lusa, a Merlin Properties respondeu hoje que está a "avaliar a situação" do cinema Monumental e que não tem "nenhuma informação adicional para partilhar".

As quatro salas do cinema Monumental existiam num edifício de comércio e escritórios que foi inaugurado em 1993 no mesmo espaço onde antes tinha funcionado o antigo, e icónico na cidade, Cine-Teatro Monumental.

Atualmente, em Lisboa só existem três salas de exibição regular fora dos centros comerciais: o Cinema Ideal, no Chiado, remodelado e reaberto pelo produtor Pedro Borges em 2014, o Cinema Nimas, explorado por Paulo Branco, e o City Alvalade, explorado pelo exibidor Cinema City.

Nos últimos dez anos, Lisboa viu ainda desaparecer o cinema Londres, encerrado em 2013 por falência da exibidora Socorama e convertido numa loja, e as salas do Saldanha Residence - mesmo em frente ao Monumental -fechadas em 2015, por escassez de espectadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+