Tempo
|
A+ / A-

Doença autoimune e hipertiroidismo podem aumentar risco de cancro da tiroide

26 jul, 2023 - 09:38 • Lusa

Pacientes com doença de Graves têm maior probabilidade de desenvolver uma neoplasia da tiroide do que a população geral.

A+ / A-

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), divulgado esta quarta-feira, identificou que mais de metade das pessoas com uma doença autoimune que provoca hipertiroidismo tem nódulos e um risco aumentado de cancro da tiroide.

Na síntese enviada à agência Lusa está descrito que os pacientes com doença de Graves têm maior probabilidade de desenvolver uma neoplasia da tiroide do que a população geral.

A doença de Graves é um distúrbio autoimune em que a glândula tireoide é atacada pelo sistema imunológico do corpo.

É considerada a causa mais comum de hipertireoidismo e, de acordo com a FMUP, esta doença afeta uma em cada 200 pessoas, estimando-se que haja cerca de 50 mil casos em Portugal.

Para realizar este estudo, a equipa da FMUP analisou os dados de 539 pessoas com doença de Graves, das quais 3,3% tiveram cancro da tiroide durante o seguimento de cerca de três anos.

"Os doentes que apresentam mais e maiores nódulos correm um risco superior", lê-se nas conclusões.

Segundo os investigadores, cerca de 65% dos doentes com este tipo de cancro tinham múltiplos nódulos na tiroide.

Considera-se que por cada 10 milímetros de aumento no tamanho desses nódulos o risco aumenta de forma significativa.

"É muito importante seguir os indivíduos com doença de Graves a longo prazo, recorrendo a exames complementares de diagnóstico, quando necessário, para identificar os doentes com risco acrescido de cancro da tiroide. Só assim poderemos atuar mais cedo e de forma mais eficaz", recomenda a equipa de investigadores.

São considerados principais fatores de risco para cancro da tiroide a exposição a radiação e a história familiar.

A FMUP refere que não se sabe exatamente a causa desta doença, apesar de alguns fatores de risco estarem descritos, nomeadamente ser do sexo feminino, ter idade superior a 40 anos, tabagismo, stress, gravidez ou parto recente e história de doenças autoimunes.

Os sintomas são os considerados típicos do hipertiroidismo: aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, palpitações, suor excessivo, intolerância ao calor, ansiedade e perda de peso, e, adicionalmente, problemas nos globos oculares e lesões dermatológicas na zona da tíbia.

O diagnóstico tem normalmente como base uma análise ao sangue às hormonas da tiroide e doseamento dos autoanticorpos TRABs.

O tratamento assenta em fármacos antitiroideus, iodo radioativo ou cirurgia e podem, ainda, ser utilizados medicamentos para o controlo dos sintomas.

Publicado no European Thyroid Journal, este estudo foi realizado por Marta Nascimento Soares, Marta Borges Canha, Celestino Neves, João Sérgio Neves e Davide Carvalho, da FMUP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+